sábado, 29 de dezembro de 2012

De pequenino se educa o ouvido


As bandas devem evitar-se, A única exceção é mesmo Emir Kusturica & The No Smoking Orchestra.

sábado, 22 de dezembro de 2012

De pequenino se educa o ouvido


O Pai Natal (da coca-cola) por norma assusta as crianças mais pequenas. 
Tenho a certeza que o problema está nas barbas.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Diário de uma gata amarela de 12 anos*


Acordo.
Vou até à casa de banho e exijo que me abram a torneira do bidé.
Bebo água e regresso à cama.
Exijo festas. Quando tal não acontece, dou umas lambidelas de aviso nas mãos dos escravos. Se não reajem imediatamente (são lentinhos, deusa minha), mordo os dedos para os incentivar a cumprirem com as suas obrigações.
Canso-me de festas e salto para o chão.
Exijo que me abram a porta.
Desço as escadas a correr e encaminho-me para a cozinha.
Vou até ao prato. Recuso os restos do jantar. Biscoitos novos, precisam-se.
Já mais compostinha regresso ao quarto. Casa de banho. Bidé. Água, por favor.
Satisfeitas as necessidades básicas, dedico-me a esticar as patas na cama macia e preparo-me para as atividades matinais: ver televisão (com um olho aberto que com os dois é esforço desnecessário), adormecer e ressonar.
Ao almoço acordo e faço os alongamentos: patas da frente e, se estiver bem disposta, patas traseiras também. Arqueio o tronco e abro a boca (os maxilares também se alongam). Exibo os dentinhos, a anunciar que estou pronta para nova pratada de biscoitos.
Desço as escadas a correr até à cozinha. Exijo novos biscoitos no prato, que os que restam do pequeno-almoço de certeza que estão demasiado moles.
Vou até à varanda, enquanto a família almoça na mesa da sala, para fazer algum exercício físico: divirto-me a entrar e sair pela porta de correr; mio quando estou dentro para sair, re-mio quando estou fora para entrar. É preciso exercitar os nossos humanos. Faz-lhes bem, acreditem.
Desço até ao escritório. Uma magnífica cadeira de leitura que há muito reivindiquei para uso pessoal.
Enrolo-me sobre mim mesma.
Adormeço.
Ressono.
Abro o olho quando fazem menção de me tirar de lá ou quando pegam em algum livro.
Rosno mentalmente,
Recuam nas intenções e deixam-nos em paz (a mim e à cadeira).
Acordo.
Subo para jantar. Prato limpo, por favor.
Desço para o escritório.
Retorno à cadeira.
Quando já são horas, começo a encaminhar os humanos para a cama. Invariavelmente lembro-lhes que está na hora de dormir.
Lá tenho que fazer o número das escadas com um deles, de outro modo não sobe. Resulta sempre.
Casa de banho. Bidé. Água a correr.
Cama. Festas. Mais festas.
O humano das escadas também gosta que brinque com ele até ficar cansado. Pronto, já parou com a brincadeirinha.
Podemos dormir?
Levantem lá os lençóis e cheguem para lá.
Boa noite.
Mais para lá.
Boa noite.
Ainda não está bem. Será preciso fazer uso das unhas?
Obrigadinha.
Até amanhã.

* Então até para o ano, que será mais ou menos quando terei novamente paciência para vos escrever.

domingo, 16 de dezembro de 2012

Mensagem natalícia de Um Blog Que Seja Seu: galardão natalício «solidariedade»*


E por falar em campanhas natalícias de solidariedade (como já aqui o escrevi, é boicotar as popotas, leopoldinas, arredondamentos e afins)... adoro a história dos/das «famosos/as» serem solidários através do incentivo aos outros (o bolso dos outros, pois claro). A eles... basta-lhes a presença, o sorriso e a histeria. 
A Jonet deve gostar imenso.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012



Adam Martinakis 

O princípio, formulado pelos juristas romanos tardios, de que a societas leonina já se não pode considerar como contrato de sociedade, mostra de modo relativo que a eliminação de todo e qualquer significado autónomo de uma das partes suprime o próprio conceito de sociedade. Com referência aos operários menos qualificados nas grandes empresas modernas, que excluem toda a concorrência eficaz no seu recrutamento por empresários rivais, disse-se, neste mesmo sentido, que a diferença de posição estratégica entre eles e os patrões é tão avassaladora que o contrato de trabalho deixa de ser um 'contrato' no sentido normal, porque uns estão incondicionalmente entregues aos outros. Nesta medida a máxima moral de nunca utilizar uma pessoa como simples meio, revela-se como a fórmula de toda a socialização. Quando o significado de uma das partes desce a um ponto em que a ação emada do eu como tal, já não entra na relação, não se pode mais falar de sociedade, tão pouco como entre o carpinteiro e o seu banco.

Georg Simmel (1923)
Barbara Kruger


De um modo geral ninguém está interessado em que a sua influência seja determinante para o outro, mas sim que esta influência, este determinar do outro, reverta sobre si próprio. Por isso existe já uma ação recíproca naquela sede de domínio que se dá por satisfeita quando o fazer ou o padecer, o estado positivo ou negativo do outro se apresenta ao sujeito como produto da sua própria vontade. (...) De resto, a sede de domínio, mesmo nesta forma sublimada, cujo sentido prático não é a exploração do outro, mas a mera consciência dessa possibilidade, não significa de modo algum uma forma extrema de desconsideração egoísta. É que a sede de domínio, por muito que queira quebrar a resistência interior do submetido (enquanto o egoísmo só se costuma importar com a vitória sobre o seu exterior) ainda assim tem uma espécie de interesse pelo outro, é para ela um valor. Só quando o egoísmo nem sequer é sede de domínio e o outro lhe é absolutamente indiferente, mero instrumento para objetivos que estão acima dele, é que desaparece a última sombra de colaboração socializadora.

Superioridade e Subordinação, Georg Simmel (1923)

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

10 de dezembro é Clarice (e 9 também)


Ainda tenho medo de me afastar da lógica porque caio no instintivo e no direto, e no futuro: a invenção do hoje é o meu único meio de instaurar o futuro. Desde já é futuro, e qualquer hora é hora marcada. Que mal porém tem eu me afastar da lógica? Estou lidando com a matéria-prima. Estou atrás do que fica atrás do pensamento. Inútil querer me classificar: eu simplesmente escapulo não deixando, género não me pega mais. Estou num estado muito novo e verdadeiro, curioso de si mesmo, tão atraente e pessoal a ponto de não poder pintá-lo ou escrevê-lo.
Água Viva, p. 12.


Depois de coletar todos estes fragmentos, comecei a perceber, comecei a coletar. Então, não é difícil estruturar Clarice, ou é infinitamente difícil, a não ser que você comungue com ela e já tenha o hábito da leitura. 
(Olga Burelli citada por Benjamim Moser, Clarice Lispector - uma vida, p. 429)

sábado, 8 de dezembro de 2012

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Para ti, sabes porquê

John William Waterhouse



One sits; the other, without.
Daylong a duet of shade and light
Plays between these. 


In her dark wainscoted room

The first works problems on
A mathematical machine.
Dry ticks mark time 


As she calculates each sum.
At this barren enterprise
Rat-shrewd go her squint eyes,
Root-pale her meager frame. 


Bronzed as earth, the second lies,

Hearing ticks blown gold
Like pollen on bright air. Lulled
Near a bed of poppies, 



She sees how their red silk flare
Of petaled blood
Burns open to the sun's blade.
On that green alter 


Freely become sun's bride, the latter

Grows quick with seed.
Grass-couched in her labor's pride,
She bears a king. Turned bitter 

And sallow as any lemon,
The other, wry virgin to the last,
Goes graveward with flesh laid waste,
Worm-husbanded, yet no woman.

Two Sisters of Persephone, by Sylvia Plath

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Sobre demagogia e a boa saúde da nossa democracia

(fotografia de Enric Vives-Rubio, publicada na notícia do Público) 

Demagogia é uma palavra gasta, já que à mínima os intervenientes políticos são considerados demagogos quando tomam alguma medida que contrarie o usual; ultimamente foram acusados Rui Barreto (deputado na Assembleia da República pelo CDS-PP Madeira),  pelo facto de o seu voto contra o orçamento não ter consequências na sua aprovação, e Maximiano Martins, pelo facto de ter vindo esclarecer que não acumulará o salário de deputado da Assembleia Legislativa Regional com a reforma da CGD. Na minha perspetiva, em nenhum dos casos estamos perante o uso de demagogia; no entanto, os detratores a todo o custo bradam aos céus e gritam por demagogia.
No entanto, ainda nada ouvi sobre o que se passou esta manhã na Universidade Nova e com a participação daquele que insiste em ser Primeiro-Ministro deste País, apesar da contestação generalizada de quem o elegeu (sim, eu sei que essa contestação não se traduz na Assembleia da República).
Todos nós, contribuintes, pagamos pela equipa de segurança do Primeiro-Ministro. Este é, diria, um serviço fundamental para assegurar a integridade dos elementos que integram os nossos Órgãos de Soberania. Contudo, o que se passou no seminário da Universidade Nova não foi, claramente, uma questão de segurança. Um grupo de estudantes, em silêncio, ostentou uma faixa que exigia a demissão do orador do cargo de Primeiro-Ministro. Em momento algum esteve em causa a segurança e a integridade física do palestrante. E, no entanto, a equipa de segurança (paga pelos contribuintes - e consequentemente também por quem ostentava a dita faixa) tentou coagir o grupo a baixá-la. Numa atitude absurdamente (aqui sim) demagógica o orador, que também é o ainda Primeiro-Ministro, pediu aos responsáveis para não continuarem a pressionar os manifestantes porque «vivemos, felizmente, numa situação de boa saúde da nossa democracia, e não vemos nenhuma razão para que os senhores não possam ostentar as faixas que entenderem». Os senhores e as senhoras, acrescento eu, que entre os estudantes estavam também mulheres. 
O problema não está, obviamente, nesta afirmação. O problema está na necessidade de ter sido proferida aos microfones daquela universidade e naquela situação. Porque naturalmente a equipa de segurança deveria estar devidamente preparada para intervir apenas em caso de perigo quanto à segurança do Primeiro-Ministro. Mas parece que não (sendo que esta não foi a primeira intervenção do género, como recentemente se viu também num outro estabelecimento de ensino). Portanto, do meu ponto de vista, o paternalismo insuportável de Passos aos microfones da Universidade Nova é um gesto vazio, hipócrita, de quem se comporta em público de forma diferente do que diz em privado (em função do facto de aqueles seguranças julgarem que a intervenção neste caso fazia parte do cumprimento do seu dever). E isto em nada atesta que vivemos «numa situação de boa saúde da nossa democracia». Mas isso, também já o sabíamos.

Sobre extraordinárias tentações e ainda mais extraordinários gastos. E sobre telhados de vidro.

António Borges considera que o Estado é mau gestor. Concordo com a convicção de António Borges, já que esse mesmo Estado paga-lhe um salário que continua no segredo dos deuses... mas se tivermos em conta que a equipa custa cerca de 25 mil euros por mês, e se tivermos em conta a necessidade de recato quando se trata de divulgar o valor... 
Em contrapartida, a concordância fica por aqui; num outro passo, penso que António Borges empregou mal o tempo verbal quando afirma que «estávamos a viver muito acima das nossas possibilidades». Não estávamos. Estamos. Continuamos. Entre outras, também pela razão supracitada no primeiro parágrafo deste post.


segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Boa Semana






Gostaria tanto de poder dizer que estou em rota de colisão com o meu banco (gostaria muito mais de poder dizer o meu banco). Gostaria tanto de poder estar em rota de colisão com o banco
Gostava de poder seguir o conselho que se dá a alguém que tenha o azar de se cruzar com um/a sociopata predadores/as: fogeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee!
Mas este matrimónio apimentado com imensa troca de correspondência e visitas semanais está para durar.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Cansaço

Não ouvi o monólogo do Passos Coelho. Há ano e meio que este senhor nos insulta diariamente. 
Há muito que este senhor devia ter sido demitido por incumprimento contratual. E o resto são tretas.

Galardão natalício: «solidariedade» aliada a animais com curvas e mamas

Só para lembrar que as contribuições para as campanhas de solidariedade da Popota e da Leopoldina revertem para quem as promove. Esta coisa de se ser solidário com o dinheiro dos/das clientes e eventualmente ainda ser recompensado por isso em matéria de impostos tem muito que se lhe diga...

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

sábado, 24 de novembro de 2012

De pequenino se educa o ouvido


Educação para os clássicos:


Get up, eat jelly
sandwich bars, and barbed wire
squash every week into a day


Na senda dos tempos que correm (e que voltam invariavelmente ao mesmo), é melhor ter sempre presente que o que queremos (ser) nunca corresponde com o que realmente podemos (s)ter. 
Cada vez mais, Factory Town.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Boa Semana




O Estado continua a exercer as funções de vigiar e punir tão bem descritas por Foucault, nos anos 70. Da tortura e punição [penas de fogo em vida e de mãos cortadas, precedidas na sua aplicação de vários tormentos, e, frequentes vezes, a pena de morte] até à disciplina e prisão vão séculos de distância. Havia que castigar - para isso serviam as leis: para punir os/as prevaricadores/as. O Estado encarregava-se dessa tarefa através de diferentes mecanismos, os quais se foram metamorfoseando ao longo do tempo.

No caso da manifestação da AR que teve o desfecho conhecido - uma carga policial violenta e indiscriminada - uma grande parte dos/das comentadores/as reprovava não somente, os/as apedrejadores/as, mas também os/as que por lá permaneceram. Os argumentos típicos da transferência de responsabilidade para a vítima (blame the victim) fizeram-se ouvir: «estavam à espera do quê?». Nos media tradicionais e nas redes sociais expressava-se a reprovação: «só lá ficou quem quis», «quem vai para uma manifestação, já sabe que pode apanhar». Portanto, a ideia de que os maus comportamentos merecem uma punição fora da legalidade (detenções precedidas de espancamentos e desrespeito pelos direitos e garantias dos/as suspeitos/as) é fundamentada pela não obediência às autoridades. A ausência de culpa pela violência exercida tem, segundo muitos/as, apoio no facto de os corpos policiais terem estado sujeitos a duas horas de ataques violentos por parte de cerca de 40 manifestantes, o que explica que, segundo estas teorias, os polícias tenham estado a ser provocados (à semelhança de animais de luta) e depois, «por já não aguentarem mais» descarregam em toda a gente. Estas teorias acerca dos corpos policiais, que lhes atribuem vontade própria -  ignorando a sua falta de autonomia para decidir - são romantizadas e esbarram com a evidência da forte hierarquia a que as polícias estão sujeitas, sendo o polícia que está na escadaria da AR, a apanhar com pedras, a base da pirâmide hierárquica e é usado de forma instrumental por alguém que nunca correrá o risco de apanhar sequer com um grão, quanto mais com uma pedra. As frases  «toda a gente sabe que a polícia de choque quando avança, bate em quem lhe aparece à frente e não pergunta» espelham bem o braço punitivo do Estado e de como o mesmo usa as polícias mais violentas como forma de disciplina social.  Mas também traduzem os resquícios da ideia de que os/as prevaricadores/as devem ser punidos «com fogo» (fora da legalidade e de forma desproporcional). Para satisfazer a «sede de justiça» não bastaria deter quem apedrejou e levá-los ao/à juíz/a de instrução - é preciso que o corpo sofra e seja sujeito a sevícias piores do que as que provocou. E daí que se ouçam tantas vozes a fundamentar os acontecimentos do dia 14 de Novembro. Os métodos usados por esta polícia - que incluem bastonadas indiscriminadas, espancamentos por dois ou três polícias a uma só pessoa, que não apresenta perigo, estando deitada no chão apenas tentando defender-se das pauladas indiscriminadas, detenções após espancamentos públicos são resquícios do uso de tortura legitimada pelo Estado.

Podemos ter evoluído muito desde que a polícia usava balas mortais contra os/as cidadãos/ãs mas enquanto acreditarmos que a justiça se cumpre sem o cumprimento da lei e sem julgamentos, enquanto confundirmos os papéis das instituições democráticas e enquanto justificarmos os métodos violentos de uma polícia que é usada como joguete de quem governa, estamos muito longe da civilidade.

Para quem tem uma pedra na mão, o utensílio não é extensível à consciência. Atacar a polícia de choque é colocar em perigo a integridade física de milhares de pessoas que estão a exercer o seu direito de manifestação. As pedras nunca atingem os/as responsáveis pela situação contra a qual se protesta.

sábado, 17 de novembro de 2012

De pequenino se educa o ouvido

A partir de hoje inicio uma nova ronda de lullabies.
Sensivelmente até março (mais coisa menos coisa), subsídios para educar ouvidos pequeninos.
E como não poderia deixar de ser, inicio com Nick Cave.


quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Ainda sobre as declarações de PPC em dia de greve:


Especialmente vil a menção final à « coragem de todos aqueles que trabalham no dia de hoje e dos que, não tendo trabalho, fazem por ter trabalho». 
E não, isto não é um problema de expressão.

Em dia de greve...

PROFUNDO ASCO. 
Foi a única coisa que senti ao ouvir (jornal da SIC) as declarações de Pedro Passos Coelho sobre a Greve:

«Passos Coelho assinalou o facto de ter havido "uma certa combinação estratégica entre sindicatos em diversos países europeus" para fazer convergir as greves no dia de hoje. "Respeitando o exercício do direito à greve, prefiro assinalar a coragem de todos aqueles que trabalham no dia de hoje e dos que, não tendo trabalho, fazem por ter trabalho", disse o primeiro-ministro. E vincou que prefere "elogiar todos aqueles que, gostem ou não do Governo, ajudam a acrescentar valor ao país".» 
in Público

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Mixórdia de preconceitos

Curioso o culto e a unanimidade dos aplausos relativamente ao programa «Mixórdia de Temáticas» dedicado à vinda de Angela Merkel a Portugal. Uma verdadeira mixórdia de preconceitos «fundamentados» no aspeto físico da chanceler alemã (again and again) e sobre como os machos tratam este tipo de mulheres (e elas gostam, claro). 
«Pérolas» de porcos, portanto. Ao humor muito se permite, mas não tudo.

Boa Semana


Os Poppers convidam os/as seus/suas amigos/as a patrocinar o novo album.



esta semana será a continuidade do meu domingo de Janis Joplin.



sexta-feira, 9 de novembro de 2012

«É a abstracta vida que me assalta»*


Desde a transmissão das palavras de Isabel Jonet na SIC Notícias, tem sido um corrupio de exageros. O exagero dos que são adeptos da condenação em praça pública (e com ela, a condenação do Banco Alimentar) é proporcional ao exagero no branqueamento do discurso (como é exemplo o texto de Henrique Monteiro, no Expresso). 

Sobre o discurso da senhora (e já agora, de outros que têm marcado ponto na televisão e jornais)...

Há pessoas que viveram acima das possibilidades? Certamente que sim. O curioso é que são principalmente as que agora dizem que temos que empobrecer, ou aguentar. O drama é que em muitos casos este discurso é proferido por quem efetivamente não empobrece (no verdadeiro sentido da palavra) ou não tem que gerir um salário mínimo ou - que digo eu - um salário mileurista. Obviamente que determinados salários ou rendimentos aguentariam e aguentariam o aniquilamento do Estado Social. Muitas das vezes, aqueles que conseguiram fugir até agora ao pagamento devido a esse Estado através de esquemas e transações muito bem geridas por especialistas na matéria (não falo, portanto, de quem recebe o RSI ou o subsídio de desemprego). O que aflige neste e outros discursos é a abstração com que se fala do povo, dos pobres, dos jovens que estão sem emprego, do cidadão em geral. São exatamente os que comem bifes todos os dias - que digo eu - os que reúnem em hotéis de luxo, frequentam restaurantes de luxo, viajam em executiva e têm motorista que os leva a todo o lado (em alguns casos com direito a despesas de representação, ajudas de custo e outras benesses que o resto dos cidadãos contribuintes não tem acesso, mas aguenta) que pautam o seu discurso com este tom miserabilista, com este tom de que todos os outros (os que não vivem dessa forma) devem abdicar do prato ao jantar (de bife, de sopa, ou até mesmo de nestum). São esses que eles e elas acham que devem aguentar o peso da derrocada do Estado Social.
Voltemos especificamente a Jonet. O trabalho que fez e faz é, obviamente, um trabalho válido. Não faço ideia se a senhora aufere de remuneração por isso ou não, nem me choca que receba. Mas isso também não a isenta de crítica. É tão livre de expressar o seu ponto de vista quanto os restantes são livres de discordar (veementemente) do mesmo. 
É que se há muitos que vão a concertos, ou compram compulsivamente, ou fazem férias 5 vezes ao ano, muitos outros há que não têm (nem tiveram) sequer o que pôr no prato ou pagar contas ou medicamentos. E muitos deles trabalharam a vida toda e nunca viveram à custa de bifes diários.

*Roubado a Manuel António Pina

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Bocejo livresco

Com honrosa exceção da livraria Almedina, faz-me confusão que as campanhas de promoção das livrarias versem, invariavelmente, exatamente sobre os livros rotulados como sendo os livros mais vendáveis, os que lemos e rapidamente esquecemos. Invariavelmente (com exceção da Almedina, sublinho) , bocejo perante as newsletter's sobre as fantásticas promoções dos livros que empestam as montras das livrarias.
Este esquema no universo livreiro faz-me lembrar essa outra pescadinha de rabo na boca da televisão portuguesa, que serve lixo ao jantar televisivo dos e das portuguesas a coberto da justificação de que é o que os e as portuguesas querem. Pois.

Abelardo Morrel

O que não se deve fazer a Clarice

Como leitora compulsiva de Clarice Lispector, é com pena que registo que as edições de Água Viva e O Lustre são dececionantes. Não pelo texto da autora, mas pelo que a Relógio d'Água não fez: uma revisão digna, que permita ler ideia em vez de idéia e em que o trema não tremelique pelo texto (a título de exemplo). 
Se quisesse uma edição em Português do Brasil (tenho, por exemplo, o Correspondências, oferecido por mão querida) teria comprado uma edição da editora original, a Rocco. Mas tal não é o caso. Não estava preparada para isto. 
Sei que publicarão mais, nomeadamente os livros infantis de Clarice. Espero sinceramente que sejam edições mais cuidadas. A bem da minha saúde.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Boa Semana




[numa breve incursão a uma fnac a menina que me atendeu definiu Maria Teresa Horta como uma autora feminista - do feminismo bom]



Na sexta, dia 9, oportunidade para ir à 2.ª Sessão de OPENSHOW, em Coimbra, na maravilhosa Casa das Caldeiras. O nosso agradecimento à produção: The Portfolio Project

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Boa Semana



Ornatos Violeta - Capitão Romance from MPAGDP on Vimeo.


Lobo Antunes fala sobre a vida e as suas vicissitudes na TSF.
Nunca consegui ler Lobo Antunes
Tanta coisa para dizer desta semana que se inicia e eu sem palavras para usar.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Boa Semana



Perdemos mais um escritor.
Por favor, alguém me dê boas notícias.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Boa Semana


«estive aqui o dia todo numa grande angústia»



O que se sente quando se perde tudo? 
Tudo: a consciência de si, a consciência d@ outr@. O que se vê quando o mundo passa ser um enorme chão armadilhado? 
Milhares de pessoas por todo o mundo devem ter respostas para estas perguntas: algumas estão bem próximas de cada um(a) de nós.
Não os/as vemos? Não os/as ouvimos?


Dias de viagens, de cansaço gravado no corpo, de vozes distantes e alarmes familiares. Poucas horas de sono, planos para mais viagens e alguém que não sabe o que esperar para além do tormento de ver o seu quotidiano [a sua zona de conforto, como diriam os nossos governantes] a ruir, a rir-se de si. As perguntas (que poderei mais eu fazer? Que sabem mais os meus dedos fazer para além disto que me ocupa os dias há anos? Onde poderei exercer um trabalho remunerado? Que farei agora?) pairam num enorme balão por cima da sua cabeça - e eu consigo lê-las. Ainda ao longe.


sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Continuem a assobiar para o lado que há quem vos cante olhos nos olhos

Hoje uma cantora lírica sobrepôs a sua voz à de Cavaco. Certamente mais límpida e mais acertada sobre o que há a relembrar aos portugueses e portuguesas. 
E o que cantou para os que (ainda) se julgam nossos donos, foi isto:


«Sem frases de desânimo,

Nem complicações de alma,
Que o teu corpo agora fale,

Presente e seguro do que vale.


Pedra em que a vida se alicerça,
Argamassa e nervo,
Pega-lhe como um senhor
E nunca como um servo.

Não seja o travor das lágrimas
Capaz de embargar-te a voz;
Que a boca a sorrir não mate
Nos lábios o brado de combate.



Olha que a vida nos acena
Para além da luta.
Canta os sonhos com que esperas,
Que o espelho da vida nos escuta.»


Poema de João José Cochofel


Resgatar o Futuro




Hoje estou na Aula Magna. 
Para quem não pode acompanhar os trabalhos presencialmente, o Congresso está a ser transmitido em direto, aqui.





segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Boa Semana

Brian Oh foi a minha mais maravilhosa descoberta durante a minha existência no Second Life (SL) e costumo pensar nele como tendo um pouco de Manoel de Oliveira (pela lentidão de certos planos), mas sobretudo, como um Burton do segundo mundo.

Esta é apenas uma das suas muitas estórias. Brian é pintor, mas o seu mundo há muito que não cabia nas telas, de modo que, apostou na tecnologia do SL para dar corpo a certas ideias «que não funcionariam tão bem numa tela a óleo».

Eis Anna, who:
was a quiet girl
who through eyelashes
watched the world

And though she appeared 
to be quiet meek
inside she harboured
a dark streak



tired of body apps
that people used
to feel their gaps

so with a touch
of profound sadness
Anna embraced 
what we've call madness

Acho que agora bem que estava a calhar um segundo mundo, um segundo país - será este irrecuperável?


segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Boa Semana






And a Man sat alone, drenched deep in sadness. And all the animals drew near to him and said, "We do not like to see you so sad. Ask us for whatever you wish and you shall have it." The Man said, "I want to have good sight." The vulture replied, "You shall have mine." The Man said, "I want to be strong." The jaguar said, "You shall be strong like me." Then the Man said, "I long to know the secrets of the earth." The serpent replied, "I will show them to you." And so it went with all the animals. And when the Man had all the gifts that they could give, he left. Then the owl said to the other animals, "Now the Man knows much, he'll be able to do many things. Suddenly I am afraid." The deer said, "The Man has all that he needs. Now his sadness will stop." But the owl replied, "No. I saw a hole in the Man, deep like a hunger he will never fill. It is what makes him sad and what makes him want. He will go on taking and taking, until one day the World will say, 'I am no more and I have nothing left to give.'

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Ousar dizer - Maria Teresa Horta

«Quem ousa dizer
tirano
sem contornar a palavra?

(os olhos firmes e espessos)

quem ousa dizer
tirano 
com a janela entreaberta?

(os dedos duros e secos)

Quem ousa dizer
tirano
sem ter a porta fechada?

(os lábios brancos e presos)

Quem ousa dizer
tirano
sem ter a arma firmada?

(os sentidos bem despertos)

Quem ousa dizer
tirano
sem lhe contornar a casa?

(a espingarda sob os dedos)

Quem ousa dizer 
tirano
sem ter violado o medo?»

Ela. Recusou hoje receber o prémio D. Dinis (merecidíssimo) das mãos de um dos homens que está empenhado em destruir o País.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Boa Semana



Gostava muito de estar esperançada. Mas não estou.

Enquanto não há esperança, contribuições para o riso.

domingo, 16 de setembro de 2012

Match point: Passos e Portas (2)

Não há casamentos grátis.

Match point: Passos e Portas (1)


Portas até queria que o cds-PP fosse um partido de bem, mas infelizmente também tem que ser patriota.

Lullaby de Domingo revisitada - esta é para ti, ó Portas


Também Pôncio Pilatos ficou para a História como aquele que lavou as mãos


Mas faz-me um favor, ó Passos, quando anunciares a coisa, deixa-me estar bem longe daqui, ok? Afinal de contas, isto não é um casamento



«Portugueses estão dispostos a fazer mais sacrifícios»



quarta-feira, 12 de setembro de 2012

(N)Ellie, o Presidente







Cavaco Silva enquanto Presidente da República faz lembrar a Ellie, o mamute fêmea que aparece pela primeira vez no segundo filme da Idade do Gelo. Sempre que achava estar em risco a sua sobrevivência, e porque achava que era uma gambá, Ellie fingia estar morta. O problema é que um mamute (ou um elefante) dificilmente passa despercebido... mesmo que se mantenha imóvel dentro de uma loja de loiças.

Ou então esta outra,  mais atual, (N)Ellie the Elephant, que...

Night by night she danced to the circus band
When (N)Ellie was leading the big parade
She looked so proud and grand

No more tricks for (N)Ellie to perform
They taught her how to take a bow
And she took the crowd by storm

oooohhhhh

(N)Ellie the elephant packed her trunk
and said goodbye to the circus...

terça-feira, 11 de setembro de 2012

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Boa Semana

Enquanto isso, o Público anuncia que os cortes salariais não bastam... vêm aí ainda mais medidas de austeridade.. mas não para todos claro. 

domingo, 9 de setembro de 2012

Canibais à solta

Théodore Géricault

É urgente haver consequências para os casos em que uma eleição acontece sob falsos pretextos. A criatura que ocupa agora o cargo limita-se a não cumprir nada do que foi o programa eleitoral que apresentou (e pelo qual foi eleito). Isto tem que ter consequências. E se não há mecanismos de autorregulação do Estado para casos graves como estes, chega a altura de todos nós, os números, aqueles que estas criaturas (não esqueçamos que é um governo de coligação psd-pp) querem  tornar progressivamente em escravos, pormos esta gente na ordem. Ou seja, dali para fora. Nem que seja a pontapé.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Boa Semana: «A única guerra que temos é a guerra económica»

O medo acaba com o desejo
José Gil



«Portugal parece estar submetido a uma prova de resistência de um povo inteiro, até que ponto aceitará ele vergar?»

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

O Escândalo da Aldeia




Tamara Dean

Eu vi uma criada de servir. (....) As [crianças] do sexo feminino, sobretudo, envelhecem prematuramente, graças ao esforço que lhes é exigido logo a partir dos 5 ou 6 anos. Os rapazes são mais poupados. Mesmo as famílias de teres e haveres, quando têm de mandar um filho para a cidade, para os estudos, escolhem sempre o varão. As filhas ficam a trabalhar nos campos ou a vender ao balcão da mercearia ou mesmo na taberna.
Encontrávamo-nos de visita em casa de uma família da terra. A servir à mesa, uma jovem de 12 anos, fresca, de olhos brilhantes e tristes. (...) um dos circunstantes perguntou ao dono da casa, (...), porque não a mandava continuar os estudos, visto ter concluído a instrução primária com brilho. O homem mal conseguiu dissimular o escândalo que o alvitre lhe causara. «Qual quê? Vai servir que tem bom corpo. Era o que faltava! Gastar dinheiro com gente desta. Era um escândalo aí na aldeia. O que havia o povo de dizer».

António dos Santos, in Notícias da Amadora, 11 de Janeiro de 1969


Como era bom viver no Portugal salazarinho

Adenda: a Inês Brasão acaba de publicar um maravilhoso ensaio sobre este tema.

Boa Semana





Semana(s) cheias de palavras de pecado. O discurso médico do século XVIII a garantir que a masturbação era fonte de «palpitações, perda de vista, dores de cabeça, vertigens, convulsões como no caso dos epiléticos e até frequentemente a autêntica epilepsia; dores espalhadas pelos membros ou fixadas na nuca, na espinha dorsal, no peito, no ventre; grande fraqueza nos rins e, às vezes, um entorpecimento quase geral». 
Não muito longe deste andam alguns personagens do cenário político estadounidense, os quais garantem que os corpos das mulheres conseguem feitos extraordinários apenas, eventualmente, previstos por estes médicos ou, antes deles, pela santa igreja que dominou/a a Europa. Ainda nesta linha de raciocínio, de lembrar este caso e perceber qual a relação com isto. Aparentemente, nenhuma. I.e. que relação pode haver entre a condenação de uma mulher vítima de gang-rape em 200 chicotadas (o homem que estava com ela - que também foi raptado e violado - recebeu 90 chicotadas - pela acusação de estar com uma mulher que não era sua familiar em privado - leia-se: no carro) e uma mulher republicana que fez uma proposta de lei no Arizona na qual defende que as entidades patronais têm o direito de escolher quem trabalha nas suas empresas, com base nas suas convicções religiosas, i.e., se acreditar que as mulheres não devem tomar a pílula, e elas a usarem (e não tiverem uma declaração médica a comprovar que o seu uso é para controlo de acne, p.e.) para efeitos de contracepção (sei lá, o uso para o qual foi inventado) podem despedi-las. Nem uma palavra acerca do uso do preservativo para os homens.. ou a vasectomia. Obviamente, que, por trás das convicções religiosas (em ambos os casos) esconde-se um enorme desprezo e ódio pelas mulheres. As palavras do ministro saudita para justificar o castigo aplicado: total concordância com «o livro de deus e os ensinamentos do profeta maomé» servem perfeitamente para a situação anterior: basta mudar o nome do profeta.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Some things never change

Cartier Bresson

«(...) A 'feudalidade' é um sistema de exploração dos trabalhadores por um pequeno grupo de especialistas da guerra, que nada produzem e que são alimentados por outros. (...)»

Georges Duby, 1991

sábado, 18 de agosto de 2012

Ouvi Dizer




às horas que bato o dedinho nas teclas, estão os rapazes a tocar o som da reunião - e eu aqui a ter uma apoplexia (bendita Antena 3 - seis é melhor que nada). Não sei como sobreviverei a Outubro.
E canto como, se num repente, voltasse a estar na Aula Magna..... (bendita Antena 3)

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Boa Semana






Porque, às vezes, nada pode ser alguma coisa.
«nothing can be truly something»



segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Boa Semana




Em semana em que se anuncia a reforma espanhola nos conteúdos da antiga disciplina de Educação para a  Cidadania, por instrução da santa madre igreja, é com um sorriso cínico que lemos que José Ignacio Wert (ministro da educação) ganhou um enorme aplauso na Conferência Episcopal. O que deu em troca? Ora, ora, nada de mais, apenas a garantia de exclusão de conteúdos relacionados com a homofobia, conflitos sociais ou a desigualdade de género - tudo temas blasfemos, já se vê, daqueles que se quer bem afastados de uma monarquia católica. A ICAR manda? Espanha obedece, monsenhor! Veremos quanto demora até cá chegar.

Por cá as coisas não estão muito melhores. O prof. Marcelo diz que o partido laranja não pode mostrar medo na rua. Eu vejo com muito bons olhos que o Passinhos e restante turma vão mostrar o medo ou que quiserem à porta fechada, pelo menos aliviam o ar. 

A esperança na humanidade chega agora do Mali.

domingo, 5 de agosto de 2012



O líder de um grupo «asiático» acusado de aliciar, abusar sexualmente e violar «jovens britânicas» (entre os 13 anos e os 15 anos) viu a sua pena de prisão ser aumentada em três anos por ter abusado de uma jovem «asiática».  Shabir Ahmed, 59 anos, irá agora cumprir 22 anos de cadeia. Durante o tempo em que o julgamento se arrastou, os jornais britânicos relatavam as atrocidades cometidas - 47 vítimas - pelo grupo de oito paquistaneses e um afegão. A primeira denúncia data de 2008, mas a polícia e o Ministério Público acharam que jamais um «júri iria acreditar na rapariga» (ela podia não ser credível... mas estava a dizer a verdade) - e o caso foi abandonado até haver uma mudança de chefia. As vozes críticas fizeram-se ouvir, com particular acutilância a extrema-direita, que organizou grupos de protesto junto ao tribunal: alegadamente, o caso não terá sido investigado por as autoridades recearem a acusação de 'racismo' (i.e. a obsessão pelo 'politicamente correcto' terá permitido que mais raparigas se tornassem vítimas); que os jornais optam por tornar vaga a nacionalidade dos arguidos, apelidando-os de «asiáticos», pela mesma razão (obsessão pelo politicamente correto); que os crimes cometidos contra a «jovem asiática» mereceram apenas mais três anos de cadeia, o que coloca em causa o valor do bem jurídico protegido (autodeterminação e liberdade sexual) quando o mesmo é cometido contra uma britânica ou contra uma «asiática».

Uma das coisas que salta à vista neste caso é o quão discricional pode ser o ato de investigar e de acusar.  O Ministério Público - que tem o poder de levar ou não alguém a tribunal - de acreditar ou não na(s) testemunhas, de pedir as perícias que entender - pode errar. E como vimos - e nem seria necessário ir até às ilhas britânicas - erra. Seria natural, caso não fosse muito, muito grave. E particularmente grave uma vez que, acreditar ou não na testemunha é algo subjetivo, i.e, sujeito aos nossos preconceitos e contradições.

Barbara Kruger


Outra questão que me ocorre é o receio da acusação de racismo e preconceito. Palavras facilmente arremessadas quando se trata de descredibilizar @ outr@.
Patriarcado é uma palavra e um conceito muito usado pel@s cientistas sociais, com particular incidência para quem trabalha questões de género. De uma forma simplista, define uma organização social em que a autoridade é exercida pelos homens. Continuando no registo simplista, é mais ou menos consensual que o patriarcado é responsável por uma série de crenças e atos que prejudicam as mulheres e que, a violência de género, bem como a violência praticada contra minorias sexuais, é motivada pelas crenças alimentadas pelo patriarcado. Os programas de tratamento para arguidos acusados e violência doméstica incluem módulos que visam alterar a representação que os agressores têm das mulheres (seres inferiores e que precisam - e podem - ser disciplinados fisicamente e que precisam de ser controladas dada a sua natureza emocional e instável - isto de ter útero e ovários provoca cá uns humores....). Nos países ocidentais ouvem-se críticas à hiper-sexualização das crianças - em particular das raparigas - e do abuso dos corpos (ou partes deles) para vender: seja o que for e ainda que nada tenha que ver com mulheres ou com os corpos delas. Responsabiliza-se a cultura patriarcal pela violência doméstica e sexual.

Contudo, parece haver um pudor excessivo quando se trata de equacionar se os crimes praticados pelo gangue de Rochdale merecem também uma abordagem étnica/cultural. Obviamente que nem todos os paquistaneses e afegãos são agressores sexuais ou pais dispostos a matar as mulheres pela honra familiar (o caso de Lal Bibi está aí para o provar). Contudo, parece-me um pouco óbvio que estes arguidos não só têm um enorme desprezo pelas mulheres, como em particular pelas mulheres cujo estilo de vida pode ser encarado como particularmente indigno e cujo comportamento e assemelha mais ao dos homens - o que as torna, aos olhos da sua cultura, menos mulheres, menos humanas reforçando a sua indignidade face a qualquer atitude de respeito. Em muitos países as mulheres são inferiores por letra da lei: não lhes é reconhecido direito de propriedade, direitos sexuais, de trabalho, ou outros direitos básicos de cidadania, noutros países, menos atrasados alguns destes direitos estão garantidos mas são limitados. Ora, não me parece totalmente descabido que os cidadãos desses mesmos países tenham crenças misóginas (tal como, de resto, acontece no Ocidente) e que vejam as mulheres ocidentais - que desrespeitam todos os valores defendidos nos seus países de origem - como seres particularmente desprezíveis e indignos de respeito. Contudo, quando se diz isto, surge logo a enorme sombra da palavra racismo. É um mistério compreender como é que reconhecemos que um sistema de organização social ocidental prejudica e promove a violência contras as mulheres, mas somos preconceituos@s se  dizemos o mesmo de pessoas cuja cultura que faz exatamente o mesmo que o ocidente - mas a triplicar.  De notar que não estou a referir que é uma questão religiosa (embora não conheça todas as religiões do mundo, estou em crer que não há uma única que promova ou garanta a igualdade entre homens e mulheres, pelo contrário, tendem a reforçar preconceitos de género). Curioso que se acuse de racismo quem afirma que este caso tem um lado cultural/etnico, mas que tudo se cale quando uma «jovem britânica» não foi levada a sério quando denunciou um crime gravíssimo como é o do abuso sexual. É que os preconceitos contra as mulheres parecem ser sempre menores face a todos os outros preconceitos.

Adenda: todos os arguidos eram respeitados na comunidade. A maioria tinha emprego e um deles desempenhava funções de líder espiritual. Alguns tinham famílias com filh@s. Ou seja: o perfil normal de um agressor sexual. As vítimas eram raparigas pobres e oriundas de famílias desestruturadas, algumas das quais ao cuidado dos Serviços Sociais britânicos e em casas de acolhimento. Com excepção do caso da menina «asiática», todas as outras eram, segundo a imprensa, britânicas - em alguns jornais podia ler-se 'brancas'. Porque as vítimas eram brancas - originárias do país de acolhimento - e os agressores estrangeiros o caso serviu de pano acusações mútuas de racismo: extrema direita acusa estrangeiros de serem violadores de mulheres brancas - como se a extrema direita se importasse com o direito à autodeterminação sexual das mulheres! - e enquanto isso, o líder do grupo acusou o tribunal de racismo e perguntou porque é que o júri era constituído, em exclusivo, por pessoas brancas.