sábado, 19 de maio de 2007

Dor que desatina sem bater

Tenho alguma dificuldade em sentir empatia por gente que considero estúpida. Tento refrear estes meus assomos mais pedantes, mas eles estão aí, são viscerais, praticamente incontroláveis.
Esta semana, apeteceu-me bater (para além dos tipos do costume - os detentores da patente da filosofia) em alguém que afirmava orgulhosamente que dos livros quer distância. "Só jogados! Para bem longe."*
A incredulidade deve ter assomado ao meu olhar. A fúria às faces. O desejo incontrolável de bater às mãos (os dedos fervilhavam). Mas se sou extremamente febril, também é verdade que sou cobarde. Não fui capaz de balbuciar nada. Agastada (mas só isso) virei costas para outro lado e continuei a falar de leituras.

*Não, não foi um adolescente.

3 comentários:

nefertiti disse...

eu tb desatino por diversos motivos. Acho que sou uma desatinada por natureza ; ))

Letras de Babel disse...

foi um futebolista?

:)

Woman Once a Bird disse...

Infelizmente, foi alguém ligado à língua.