terça-feira, 2 de junho de 2009

Aprender por ouvir dizer

Em relação à violência doméstica, se se praticasse mais exercício físico, haveria menos agressividade latente em casa.
(a afirmação, de um Sr. Doutor de Medicina Desportiva - não posso jurar que as palavras escolhidas foram exactamente estas).

Em três tempos está resolvido o problema da violência doméstica. Em vez de apostarmos na educação para a prevenção, em linhas de aconselhamento, em acompanhamento psicológico às vítimas e aos/às agressores/agressoras, em casas de abrigo e em processos judiciais, a coisa resolve-se com uma inscrição no ginásio ou um simples saco de boxe distribuído porta a porta.

8 comentários:

pêssego de ananás disse...

"Em relação à violência doméstica, se se praticasse mais exercício físico, haveria menos agressividade latente em casa."
Tenho a certeza que se essa douta besta praticasse mais sexo não teria tanta demência nas palavras...
Ou então, masturbação onírica...

Mas os parvos safam-se sempre, ou quase, né?

Woman Once a Bird disse...

Sim, a tendência é mesmo essa. E colocasse eu por cá as restantes barbaridades...

...laranjas violetas disse...

..conta, conta.
Estou em pulgas mas sem elas...

Woman Once a Bird disse...

Quando tivermos tempo, faço relatório (não me esqueço).

samya disse...

um dos possiveis raciocinios entao seria que trabalhadores braçais nao cometem violencias domesticas? ou que esportistas se comportam como monges budistas em casa? e que a vida sedentaria induz a violencia? por que deixam essas pessoas falarem?

Funes, o memorioso disse...

Por muito que vos custe (e eu não percebo por que vos há-de custar), o que o homem disse foi uma banalidade verdadeira.
A violência doméstica é, antes de mais nada, violência. Uma parte da violência é fruto do stress acumulado que explode em manifestações agressivas sobre o outro. O exercício físico ajuda a diminuir o stress e, por consequência, as manifestações de violência. Ponto final. Quase aposto que foi só isto que o homem disse. Não disse, com certeza, que o desporto acabava com a violência e que os maridos passvam a ser uns amores depois de duas horas de ginásio.
O problema é que para os feministizados a violência doméstica não é uma sub-espécie do género violência. É uma coisa diferente. E mais grave.

Woman Once a Bird disse...

Pois não Funes. No que diz respeito à violência contra as mulheres (e subsequentemente às crianças)É também (sublinho o também) o resultado de uma representação cultural em que a esposa e as crianças são propriedade, tal como a casa, ou o carro. Diz respeito a relações de poder.

Woman Once a Bird disse...

Sim Samya. Uma das conclusões que se pode tirar é a de que o problema da violência doméstica só afecta famílias sedentárias. As restantes, não têm qualquer problema...