sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Complexo? Não...complicado ou combinado...

A julgar pelos critérios de recrutamento de algumas empresas, em breve poderemos substituir o trabalho das universidades por um treino intensivo de páginas de 'quebra-cabeças'. Para quê queimar a pestana se, para qualquer empresazeca, se tem que mostrar que se consegue pôr o quadradinho no sítio certo? Que importa a linguística se o que interessa é saber que o correspondente de 'destinatário' é, segundo os critérios (estáticos) de correcção: 'beneficiário'? As teorias psicológicas de 5.ª categoria de avaliação de personalidade, atenção, concentração, cálculo mental, raciocínio são medidas nas folhas de quebra-cabeças de uma qualquer empresa de recrutamento.
Perceber uma teoria económica? Mostrar que se consegue elaborar uma frase? Qual quê? O importante é perceber o bonequinho e entrar directamente na cabeça de quem elaborou o testezinho. É assim que se passa de analfabeto funcional a apto para colaborar numa graaaannnnnnnde empresa.
E já agora... aceitam-se sugestões: para complexo (sem qualquer contexto adicional), escolheriam complicado ou combinado? Só uma estaria correcta (segundo os critérios de correcção dos referidos psicólogos). Há paciência?

3 comentários:

Rosa Oliveira disse...

Complexo será combinado, se nos pautarmos pela designada Teoria da Compexidade.

Complexo será complicado, se nos pautarmos pelo designado senso comum.

Psicanalíticamente, melhor não complicar...

Não!, não há paciência.

P.S.: Sendo que, provavelmente, seriam uns modistas de psicólogos, escolheria combinado.

cuscavel disse...

É, realmente, incrível como se vergam à "magia" dos testes. Então quando o teste "mede QI"... é vê-los/as a esfregar as mãos. Mas que têm a sua utilidade, lá isso têm. A chave está não na exclusividade, mas em combinar várias fontes de informação. ;)

Táxi Pluvioso disse...

Para dançar ou maybe not...