terça-feira, 26 de junho de 2007

Habituados ao lado sombrio da existência colectiva...

( pintura de Paula Rego)

"(...)
Sem pretendermos formular causas primeiras que originariam todas estas modalidades de violência, parece-nos que a acumulação, ao longo dos séculos, de muitas práticas não criticadas, nem erradicadas, em que o antigo sempre se misturou com o que já foi moderno e um e outro sempre se misturaram com o moderno que " está a dar", conduziu a maior parte dos Portugueses a uma vida social e cultural medíocre, em que vivemos:
-habituados a uma grande impotência individual e colectiva;


-habituados a péssimos seviços públicos, como se fossem de favor;


- habituados a suportar um urbanismo caótico e sistemas de transporte absurdos;


- habituados a ler pouco e a pouco debater;


- habituados a uma quase nula vida assocativa e interventora;


- habituados à "cunha", ao "desenrascanso" e à pequena corrupção activa;


- habituados... aos brandos costumes que tudo corróem sem dar nas vistas.


Este é o lado sombrio da existência colectiva.


Augusto Joaquim"


JEAN, Georges, "E, em Portugal, como é?(excerto)" in O Racismo Contado às Crianças, 1ª edição portuguesa: Terramar, Junho de 1997

4 comentários:

rps disse...

... e é como dizia o O'Neil: neste país pequenino/respeitinho é que é preciso

rps disse...

Ou seria

"Neste país em diminuitivo/respeitinho é que é preciso" ?

nefertiti disse...

obrigada pela visita, eu já estava a ficar furiosa por ninguém comentar este excerto do Portugal dos Pequeninos : ))

nefer disse...

digo, sobre o Portugal...