quarta-feira, 25 de abril de 2007

25



A memória é a linha ténue que nos separa do mesmo.
O esquecimento significa perda de nós - do que fomos e do que somos.
Longe do sonho? Certamente. Mas tal não nos impede de tentar. Provavelmente mais desencantados, mais cépticos, mas com uma réstea de esperança em nós e por nós.

"Lá do cimo de uma montanha
Acendemos uma fogueira
Para não se apagar a chama
Que dá vida na noite inteira."

Excerto de Canto Moço, de Zeca Afonso.
Ilustração roubada a Mário Cesariny


7 comentários:

rps disse...

Masi que o 25, importa não esquecer o 24 e o 26.

rps disse...

Mais que o 25, importa não esquecer o 24 e o 26.

Woman Once a Bird disse...

O primeiro comentário foi para o 24, o segundo para o 26 ;)

nefertiti disse...

o mais importante é perservarmos a Democracia. O 25 de Abril foi realmente um marco importante na História portuguesa! Viva, festejemos!

O mais curioso de é que hoje estive a ver algumas obras de Mário cesariny (Casa das Mudas)... aqui vejo outra...
abraço

Woman Once a Bird disse...

Ranhoseira. Foram para a casa das Mudas e eu enfiada em casa!

nefertiti disse...

adorei a exposição! eu já merecia uma coisa assim ; ))

Woman Once a Bird disse...

E se tivesses visto a anterior... Essa então!
PS: na Galeria vai estar uma de Júlio Pomar muito em breve.