quarta-feira, 20 de dezembro de 2006

Desassossegos 2 - Crónica de uma gata sitiada


Caros amigos:

Os meus dias continuam sombrios. Sou uma gata cada vez mais confinada aos meus aposentos que, apesar de não serem maus de todo, ainda assim não se comparam ao cheiro da terra, às águas sujas dos vasos de flores ou ao sabor incomparável das ervas de que tanto gosto. Há muito que perdi o travo do exterior, o cheiro e a memória da vida ao ar livre. Continuo entre portas, graças a esse mafioso de que há algum tempo vos deram conta.
No outro dia, o energúmeno apanhou-me numa das minhas raras incursões ao pátio; a aventura custou-me um bocado da perna traseira e por isso ando a antibióticos. Uma situação deveras desagradável e dolorosa, já que é absolutamente humilhante e desagradável enfiarem-nos metade de um comprimido nojento pela garganta. Eu bem esperneio contra a coisa e tento não engoli-lo, espumar até que já nada resista. Nada a fazer; apertam-me os bigodes até que engula em seco. Perdão, até que engula em comprimido.
Mas voltando ao causador dos meus piores pesadelos... A criatura é horrenda, com uma cabeça enorme e uma cauda que nunca mais acaba. Gordo, por vezes confundo-o com um texugo (sou uma gata informada, que tem um gosto particular pelos documentários do Odisseia). Adora ameaçar-me por entre os vidros e volta e meia aparece à porta só para que não me esqueça que ele anda por ali. Certo é que, por norma, não me aventuro sozinha.
Já não sei que faça para além de ficar entre portas e desabafar nas teclas do pc do andar de cima. É a única coisa que ainda me dá algum gozo, principalmente quanto a Woab também está a teclar. Tem muita piada tentar deitar-me em cima do teclado e destabilizar o texto todo, ou morder-lhe delicadamente os dedos que se movimentam. Uma gata tem que passar o tempo com alguma coisa, que isto de só comer e dormir não chega para mim (quase, mas ainda assim não chega).
Pois bem, dado que o meu problema persiste e parece-me que tem tendência a agravar, venho por este meio pedir a Vªs Exas (que toda a gente diz que, por andarem em duas patas, são muito inteligentes) o que devo fazer para me livrar da Besta!
Sem outro assunto de momento, agradeço desde já as vossas sugestões.

Kiara

PS: A única vantagem que o malcheiroso me trouxe foi a de, à força de ficar reduzida ao espaço interior, tornar-me perita na abertura de portas.
Mais um esforço e não tarda nada estou como vós. Em duas patas!

5 comentários:

Dirim disse...

kiara: desde já te desejo as rápidas melhoras. Quanto a sugestões para te livrares da criatura... lamento não poder ajudar-te... ele parece ser de ideias fixas...

rps disse...

Cara Miss WOAB: tens o condão, o talento de, momentaneamente, me fazeres gostar de gatos...

his_tory disse...

Que tal capturar o bichano e entregá-lo na SPAD, no caso de não ter alguém responsável pelo mesmo?

Nefertiti disse...

compreendo-te perfeitamente o teu drama, Kiara. Eu também fugo qd vejo o malvado pelas redondezas da tua casa... Coragem amiga.

Nefertiti disse...

digo compreendo o teu drama, Kiara.
Feliz Natal para ti e para as tuas donas.