terça-feira, 17 de janeiro de 2006

Um ano depois, ainda Perto Demais.


Há aproximadamente um ano, fui ao cinema ver esta maravilha. E com esta, descobri esta outra(nestas coisas da música tenho tendência a apanhá-las tarde). Decidi rever a primeira, depois de ter passado o dia a ouvir a segunda no rádio do meu carro. Numa versão horrorosa legendada em brasileiro(que me foi dada há uns meses, já que eu anunciava aos quatro ventos que tinha adorado o filme), lá tive o prazer de degustá-lo novamente. É certo que a experiência foi algo estranha; tentei abstrair-me ao máximo da legendagem que teimava em aparecer. Exercício estóico de resistência à leitura, com a tentação (pecaminosa, no caso) de por vezes escapar-se-me o olho para as abomináveis letras. Enfim, não foi perfeito, mas foi muito bom poder visioná-lo novamente.
Lembro-me que há um ano saí da sala de cinema como se tivesse sido atingida por um raio. É certo que as espectativas não eram muitas (Julia Roberts, e tal). E, nestes casos, o estuporamento é muito maior, porque não é pressentido ou esperado.
Desta vez, porém, estava preparada. Até incrédula, já que me sabia prevenida (e estas re-leituras por vezes roubam-nos o encantamento).
Novamente magnífico. Na sua crueza, nos diálogos muitas vezes magnificamente maliciosos. Profundamente focalizado no demónio das relações; na forma como as pessoas se tocam e deixam tocar, da distância (ou da quase ausência dela). Sobre o estar sobre o fio da navalha, o Eu em relação com o Outro, a tentativa da apreensão, do aniquilamento de tudo o que difere (do que Eu quero e do que Eu desejo). Das máscaras que se assumem de cada vez que é declinado o verbo amar... das suas implicações. Acima de tudo, da não compreensão do que é amar o Outro na sua distância, exactamente porque distante e diferente de mim. E de como isso aniquila, ou, pelo menos, adormece inevitavelmente (de olhos bem fechados) o que deveria estar permanentemente acordado e alerta - a descoberta do Outro como sendo o diferente, o mistério velado que inebria e seduz.
Vasculhando os meus rascunhos de há um ano atrás, encontro estas impressões que agora reproduzo, porque a elas voltei neste novo visionamento:
Curiosas as diferenças quase opostas entre as duas personagens femininas. Por um lado a fotógrafa de estranhos, de rostos anónimos tornados familiares; por outro lado, a dançarina de striptease que se desnuda (expõe) perante estranhos. A primeira apreende/captura a estranheza; a última deixa-se apreender. Em ambos os casos, o estranho perante a captura do olho. A mensagem que permanece: o Outro escapa sempre à apreensão; e talvez por isso a dançarina só se desnude perante o estranho (ela só revela o nome, a identidade, no local da distância absoluta), porque a proximidade (a relação) é perigosa, aniquiladora da estranheza. E por isso mesmo ela escapa sempre à proximidade - deixa de amar no exacto momento em que lhe é exigida pertença. E aqueles que permanecem no "Perto Demais" (a fotógrafa e o dermatologista) terminam adormecidos, porque a coincidência adormece os sentidos.
E hoje passei o dia a ouvir isto :

and so it is
just like you said it would be
life goes easy on me
most of the time
and so it is
the shorter story
no love no glory
no hero in her skies
i can't take my eyes off of you
and so it is
just like you said it should be
we'll both forget the breeze
most of the time
and so it is
the colder water
the blower's daughter
the pupil in denial
i can't take my eyes off of you
did I say that I loathe you?
did I say that I want to
leave it all behind?
i can't take my mind off of you
my mind
'til I find somebody new

19 comentários:

Nefertiti disse...

A tradução fantástica que eu já ouvi é: " Não consigo désviar mês olhos di você..." (mais ou menos assim, pois eu também desviei a minha atenção)

Anónimo disse...

Bem! que belas recordações... apesar da tradução o filme e a Música é fantástica.
ADORO

Woman Once a Bird disse...

Nefertiti:
E a "casca do pão"... Brrrr. Mas diz lá, foi um serão bem passado, quase tanto como aquele outro de "A Vida é Um Milagre", com aquela saída fabulosa de "Eu não gosto muito de filmes franceses..."

Candy disse...

Esta música é demolidora! Até para mim que não sou muito romântica ou lamechas.:)

Woman Once a Bird disse...

Tens razão. Aliás, apercebi-me depois, ao ouvir o cd que esta não é propriamente a única música com estas características no cd. Muito, muito bom, mesmo.

jose disse...

lol
estas tuas palavras (que penso já ter lido noutro local, não é?) fizeram-me lembrar que ao pedir, por duas vezes, para o livra me apagar, perdi tudo o que tinha escrito sobre livros, filmes, música. Tinha uma escrita sobre este filme. cinco estrelas. na altura penso que leste as minhas palavras, pelo que sabes, mais ou menos, o que penso do filme. :)

Woman Once a Bird disse...

Perfeitamente. aliás, quando decidi escrever novamente sobre isto, pensei em ti e nos comentários que trocamos na altura.

Woman Once a Bird disse...

Por isso bem procurei pelos teus textos e o resultado era nulo. Desapareceram os teus textos e os teus comentários.

Nefertiti disse...

Naquele outro filme alguém estava a viver um "milagre" por isso andava distraído, e realmente foi uma pena ter pensado que era francês... pois tenho quase a certeza que se identificaria com o "burro"!

Woman Once a Bird disse...

Em lágrimas a meio da linha de comboio? Duvido.

HM disse...

Filme fantástico onde a crueza da linguagem não choca nem um bocadinho. A música deliciosa... Mas não arrisquei conhecer o CD. Temo ficar desiludido...

Aristóteles disse...

Não vi!

salomé disse...

Hipermetropia, aristóteles?

Woman Once a Bird disse...

Hm:
Se é verdade que algumas músicas são fraquinhas, outras igualam (ou até ultrapassam)a qualidade da música motora do filme. Aliás, é um cd duplo. Algumas desagradam-me, mas no geral, para mim, foi uma excelente compra. Ao ponto de me tornar reincidente quando sair novo (que parece ser ainda este ano).

HM disse...

Ao fim da tarde vou à FNAC... :-)

Ninfeta disse...

senhor hm: qual FNAC?
diga-me que eu espero-o.

Woman Once a Bird disse...

H de Humbert?

HM disse...

Nop

Woman Once a Bird disse...

Como temos uma Lolita, julguei que o Humbert tb estaria entre nós...:)