segunda-feira, 25 de abril de 2011

Um doce de Páscoa ou da triste campanha eleitoral que nos espera

A seriedade não será assim tanta, se se presta a este papel (aliás, a seriedade da personagem foi plenamente esclarecida aquando  da discussão que não existiu sobre o PEC IV). Quanto ao seu percurso de vida que é guiado pelo bom senso (não terá Passos confundido bom senso com senso comum?), temos tido uma bela amostra dessa propalada qualidade nas últimas semanas*.

*mas é bonito ver a honestidade aliada ao rigor financeiro. O Otelo há-de gostar.

2 comentários:

Funes, o memorioso disse...

Fico sempre de pé atrás quanto á seriedade de uma pessoa que se diz séria ou quanto à educação de uma pessoa que se declara educada.

Táxi Pluvioso disse...

Para a bancarrota dentro de 3 ou 3 anos tanto faz (sempre gostaria que alguém me explicasse como é que o país pode paga juros de 4% - suposta ajuda FMI - já nem falo de 12% dos mercados. bfds