sábado, 26 de fevereiro de 2011

Os óculos de Sócrates - Um País como o Nosso

O título não engana. Falo-vos do Primeiro Ministro do meu descontentamento (não da maioria, já que o reelegeram). 
Pois o ilustre senhor foi hoje (ontem) ao Parlamento anunciar que a precariedade laboral de gente qualificada é realmente um problema que temos, mas que este problema é comum a muitos países (até aqui bocejo ao volante e pondero mudar de estação). Mas a criatura acrescenta (com uma veemência que me fez pensar no trabalho das empregadas de limpeza quando limparem a sala e tiverem que desencastrar todos os perdigotos lançados pela convicção deste Primeiro Ministro indignado com os seus oponentes) que o problema do desemprego de pessoas qualificadas só existe em países que atingiram um grau de desenvolvimento muito elevado. Como o nosso. Desligo o motor e saio do carro envaidecida por pertencer a essa aventura maravilhosa de viver num País desenvolvido em que os problemas se devem a excesso de gente qualificada. Ao entrar em casa, a vaidade atinge uma percentagem absurda ao deparar-me com o título da Visão desta semana. Ao que parece, a Alemanha, que como bem sabemos é um país que ainda não atingiu o grau de desenvolvimento superior ao qual pertencemos, anda à procura de gente qualificada fora de portas. O Reino Unido a mesma coisa. De uma assentada resolvem-se dois problemas: o pessoal que infelizmente está desempregado porque em Portugal somos um país com um grande desenvolvimento já pode vislumbrar uma luz ao fundo do túnel. E quanto a nós, os empregados que restam no País desenvolvidíssimo (mas em crise), já não precisamos de nos preocupar com a influência da Alemanha na UE (parece que o Sócrates foi chamado à secretária da Angela Merkl, não se sabe se para apanhar reguadas ou elogios). Que medo estúpidozinho este de um país que nem está suficientemente à frente para desempregar gente qualificada. Puff!

3 comentários:

Saul Marques disse...

A enorme cara de pau e a total falta de noção de ridículo são, sem dúvida, os maiores (se não únicos...) atributos do nosso primum inter pares. Sejamos pois os guias desses pobres alemães que buscam, seguindo o nosso paradigma, atingir a dimensão feérica da pós-empregabilidade.

Woman Once a Bird disse...

Ora seja muito bem aparecido, sr. Saul. Por onde pára V.ª Exa? Ora apanhe lá um besito meu.

Saul Marques disse...

Se eu soubesse que apanhava um besito da mulher que já foi pássara já por cá teria passado mais cedo.