quinta-feira, 29 de julho de 2010

Esta mulher tem um nome: Aisha, 18 anos, jovem afegã a quem o marido cortou o nariz e as orelhas. A última capa da Time é totalmente perturbante, mas o seu conteúdo também corre o risco de ser perturbantemente propagandístico. Esta imagem podia muito bem pertencer a uma mulher indiana (ou paquistanesa), vítima de mais uma retaliação da família do esposo por problemas com o dote. Não é, Aisha é afegã. E a Time acompanha Aisha com uma frase em jeito de interrogação: "what happens if we leave Afghanistan"

16 comentários:

helena disse...

Vivemos num mundo bem estúpido! Chocante!

Woman Once a Bird disse...

Ou a arte da instrumentalização.

Anónimo disse...

É caso para responder a essa pergunta propagandistica da Time com uma outra: Se os maus Talibans já não estão no poder como é que esses crimes de "honra" continuam a acontecer sob o governo dos nossos "amigos"?

Há um estudo dos serviços secretos americanos que aponta os direitos da mulheres como uma motivação a ser usada junto da opinião pública europeia para justificar a manutenção dos EUA e Nato no Afeganistão.

Os governos, os regimes nem sempre são responsáveis pela bestialidade de alguns dos seus cidadãos. Será que os americanos vão derrubar o Sarkosy porque uma francesa matou e enterrou oito filhos ao longo dos anos?!

Infelizmente, ao contrário da nossa anfitrã, são poucos os que se apercebem das segundas agendas da comunicação social de referência.

amsf

amsf

Anónimo disse...

Sr. amsf, como pode comparar uma prática frequente e que é aceite numa determinada sociedade com um acto que é tido como um crime e, por conseguinte, julgado? O que é que tem a ver o caso das mulheres afegãs com o caso da mulher francesa que matou os filhos?
Atrocidades que ainda por cima são assimiladas e fazem parte da tradição de um povo! Porra, que raio de gente!! Haverá outra solução para além da manutenção das EUA e da Nato? Qual?
Helena

Jools disse...

zecuParece-me que a fotografia da capa responde, pelo menos parcialmente, à questão... Ou seja, não vai acontecer nada que não esteja já a acontecer agora. Com ou sem a presença do exército dos Estados Unidos da América, os Direitos Humanos no Afeganistão não são muito mais do que algumas letras avulsas espalhadas por folhas soltas. Num país onde os EUA têm estado constantemente presentes (assumidamente ou não) há cerca de 30 anos, a influência "moral" que a Time sonha que o Ocidente, em geral, e os EUA, em particular, têm, não passa muito disso, de um sonho. Quando (Se?) saírem vão deixar um país pelo menos tão pobre como o que encontraram, mais dividido, ainda mais desconfiado dos estrangeiros (todos sem excepção, que aqui não há inocentes) e mais radicalizado. Que mandem saudades, porque entre a população não deixam muitas...
Entretanto Aisha vai continuar repudiada, mesmo que um filantropo Norte-Americano de boa/má/indiferente (riscar o que não interessa) consciência ou alguma empresa à procura de "boa publicidade" (quíçá a própria Time-Warner?) resolva abrir os cordões à bolsa para lhe pagar uma reconstrução facial. Pode ser que me engane mas, infelizmente, a sua dignidade será bem mais difícil de recuperar do que as suas orelhas e vai passar muito tempo até que possa andar de nariz (reconstruído ou não) no ar...

ecila disse...

Nao sou a favor de ocupacao de nenhum país seja por quem for. Nem sequer sou a favor de guerra, seja esta qual for. No entanto... aparte os motivos obscuros dos EUA para a ocupacao do Afeganistao, há que entender que a populacao beneficia de uma abertura que antes nao tinha devido aos Taliba. O problema maior sao os Taliba, o terrivel fanatismo, porque antes da chegada destes, o Afeganistao era um país relativamente normal dentro dos parametros muculmanos. O atraso é de tal forma e o estrago dos Taliba na psique da populacao é tao profundo que vao ser precisos muitos anos para que as coisas mudem. Mas estao a mudar. Devido a isto nao consigo ter uma opiniao formada quanto à ocupacao do Afeganistao na actualidade. Nao possuo talvez informacao suficiente. Claramente que a capa da revista Times é propaganda (já que a revista Times é em si propaganda), mas existem outras fontes de informacao sobre o estado do Afeganistao na net (poucos). Como exemplo, deixo o link para um documentário interessante que mostra um pouco o estado moral e as mudancas recentes no Afeganistao:
http://aliceinme.blogspot.com/2010/05/estrela-afega-documentario-da-semana-2.html

Acho que se deixarem o Afeganistao, há uma forte probabilidade dos Taliba voltarem ao poder. E isso é o pior de tudo.

Comparar o que é pratica comum e aceite de violência contra as mulheres (accoes de uma violência horrivel) com um crime ocorrido em Franca (um crime, considerado crime) foi uma má comparacao amsf.

Anónimo disse...

Há quem olhe para os problemas dos outros ignorando os seus próprios.

É tão bom poder expoliar os outros depois de uma prévia diabolização.

Os primeiros cristãos eram canibais (comunhão) afirmavam os romanos;
Os povos que faziam fronteira com o império romano eram bárbaros;
Os muçulmanos contemporâneos das cruzadas eram infiéis e piratas;
Os judeus tinham morto Jesus e emprestavam dinheiro a juro;
Os negros e indios dos descobrimentos não eram humanos, não tinham alma (conquistados,dizimados e escravizados);
Os indios americanos eram selvagens (caçadores de escalpes)pelo que se justificava a sua espoliação e morte);
Os negros e mulheres americanas eram seres menores pelo que não tinham direito a voto;

Etc, etc, etc

A um povo diabolizado pode-se fazer tudo...

Como é evidente o ser humano é capaz dos mais diábolicos crimes a pretexto da cultura, religião, tradição mas não podemos ser ingénuos ao ponto de não perceber certas manobras...

Relembro à ecila que este caso aconteceu sob o governo do Karzay e não dos Talibans. Relembro que até em Portugal já aconteceram casos semelhantes, em que se utilizou ácido súlfurico. E até contra homens e entre a nossa comunidade branca.

amsf

Anónimo disse...

ecila, eu concordo com tudo o que disse.
Relativamente à capa da revista, que é sem dúvida uma manobra de propaganda, é também uma forma de denúncia que não deixa ninguém indiferente e, quer se queira ou não, é uma realidade que ainda prevalece em certas sociedades!
E não interessa que tenha acontecido no governo x ou Y! São à mesma os direitos humanos que estão a ser ignorados!!! Trata-se da actualidade e não do passado!! Trata-se da mudança de mentalidades e não de governos!! Trata-se de uma ocupação que poderá trazer alguma abertura, e não uma mudança radical, porque é humanamente impossível!!
O senhor amsf relaciona factos que nada têm a ver com o assunto! Isso também entristece-me...
helena

Anónimo disse...

"O senhor amsf relaciona factos que nada têm a ver com o assunto!"
Helena


O "senhor amsf" simplesmente tira lições do passado. E aquilo que agora é passado remoto também foi presente e nem por isso os contemporâneos dos tais factos passados deixaram de ser ludibriados pela propaganda da altura.

Dito isto e para que não fiquem dúvidas repudio qualquer tipo de crime chamado de "honra", qualquer violação dos direitos humanos! Mas que tal condenação não sirva para justicar certos crimes económicos, certos imperialismos modernos sob a capa de defesa dos direitos humanos.

amsf

ecila disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ecila disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ecila disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ecila disse...

Ninguém aqui está a diabolizar o povo do Afeganistao. Credo,de onde é que saiu tal argumento?

Bom, nao concordo com a ocupacao do Afeganistao. Obvio. Nao gostava que ocupassem o meu país, nao faz qualquer sentido. No entanto, temos aqui um problema (eles têm). Que sao os Taliba.
Primeiro, nao me refiro a qualquer caso cruel especifico, nem a casos que possam acontecer sob QUALQUER sistema politico (nao quero saber se em portugal ou na conchichina ocorreram ou ocorrem casos violentos, pormenores que só interessam aos envolvidos e à justica). Falamos aqui de uma ditadura violenta. Todos sabemos que os taliba subiram ao poder com a ajuda dos que agora ocupam o país. Mas nao é isso que está em questao neste momento. O que está em questao é que este é um regime extremista que aterrorizou o povo afegao durante o tempo em que esteve no poder. Foram um TERROR.
Segundo, obviamente que os interesses americanos nao sao salvar a populacao afega das garras dos radicais talibans. No entanto, se por efeito colateral a populacao sente agora mais liberdade do que antes e se aos poucos passam a ter mais acesso a educacao (inclusive as mulheres, algo que antes estava vedado), nao consigo resolver em mim o conflito de ocupacao estrangeira interesseira VS ditadura violenta e repressiva. Acho que do mal o menos. E espero que com o tempo o povo afegao se consiga libertar de todos, dos estrangeiros interesseiros e dos compatriotas fanáticos.

Todos nós com um pingo de inteligência e pensamento critico percebemos as manobras da mainstream media. Além disso, conhecemos também as nuances enganadoras da linguagem jornalistica sensacionalista, já para nao falar na propaganda americana. O melhor mesmo é focarmo-nos nos sinais de mudanca, no que diz a populacao, em reportagens alternativas. Porque também é muito fácil deixarmo-nos levar pelas nossas próprias crencas, os nossos valores politicos, o nosso ego. Esquecendo assim os interesses do povo afegao. Sao esses interesses, o bem estar do povo afegao que devemos ter em conta. Aparte de todos as nossas duvidas e conflitos idealistas. Por isso, é que acho que, por aquilo que tenho visto e lido, dê lá por onde der, os taliba nao podem voltar ao poder. Para o bem do povo afegao. Talvez para isso seja preciso que nao se abandone o afeganistao ou uma solucao alternativa. É um caso complicado.

ecila disse...

Tive um problema com a publicacao do comentario, espero que nao apareca em duplicados, já que por si era bastante longo ;-)

Táxi Pluvioso disse...

O presidente Báráque precisa do apoio da sua imprensa. bfds

Anónimo disse...

Nem sei por onde começar , visto que a discussão já vai longa , mas acho k vou plo 1º post d amsf , parece k em Portugal 30 e tal anos dp d 25 Abril , não existe violência sobre as mulheres , basta dizer k em 2 dias foram esfaqueadas duas , portanto seguindo este raciocino primário estamos mt mal e talvez a solução seja voltar ao tempo d Salazar em k ao menos estas noticias não eram divulgadas , assim não s sabia do k estava a acontecer ... Dp queria dizer á Ecila que eu por exemplo . até gostava k os States invadissem a minha terra , é a única maneira d não termos o Alberto João a governar 40 ou mais anos , portanto claro que penso que a invasão é totalmente justificada , pois o regime k lá vigorava era medieval , para mim basta a proibição de se ouvir musica para haver razão suficiente para tal acontecimento . Possivelmente deu-se mt importância á parte militar em detrimento d programas d desenvolvimento das populações , mas com todas as dificuldades não tenho duvidas que este país está no caminho certo embora dependente d continuação da ajuda do Ocidente e com imenso por fazer sobretudo no campo dos direitos humanos .
Jacinto Gouveia