quarta-feira, 12 de maio de 2010

Da Insinuação

Afinal, ao que parece, também a Senhora sabia da pedofilia mas manteve-a em segredo*.
*Declaração de intenções (ao Sancho)
Com isto não quero dizer que os padres culpados deste crime simbolizam a Igreja, ou que a maioria o praticou ou algo do género. Há padres pedófilos como há professores/as, advogados/as, pais/mães, etc. Mas o caso muda de figura quando a Instituição à qual prestam imediatamente contas opta por os encobrir e permite que continuem a ter acesso a crianças.

5 comentários:

Alix disse...

concordo plenamente contigo. Se o Ministério da Educação não afastasse um professor suspeito de molestar alunos, caía a o Carmo e a Trindade e com muitissima razão. A cumplicidade é um crime, tem que ser encarada como tal, venha de onde vier. Não me lixem, a lei de Deus não pode estar acima da lei dos Homens

Sancho Gomes disse...

alix,

é difícil comentar o que escreve, tantas as tontices.
mas de forma rápida: os pedófilos, em Portugal são recebidos como heróis na Assembleia da República, pela mão de um líder partidário de esquerda. o ME conrata professores de música condenados por pedofilia. e para exemplos, estes dois parecem-me paradigmáticos.
se a alix estivesse tão informada quanto quer fazer crer saberia que o problema nos EUA foi a lentidão com que hierarquia do Vaticano reagiu, não houve encobrimento. e é lá o grande problema que envolve o Vaticano. mas dou de barato que a Igreja quis ocultar. errou, pecou contra Deus e tem de penetenciar-se. mas não caia na tontice de achar que é apenas a Igreja que o fez. não conheço uma única instituição laica que não tente ocultar os seus próprios erros.
Da Igreja, espero e exijo mais. e, ao contrário das instituições laicas, que dirigem o meu país, a Igreja está a tentar remediar os seus erros e agir preventivamente.

woab: o que os acólitos da Fernanda Câncio dizem não é verdade inquestionável. não é por um jornalista escrever, que corresponde à verdade. cuidado com a informação que tomas como fidigna.

Rosa Oliveira disse...

Caro Sancho Gomes, permita-me...

ser advogado do Diabo deve ser uma penosa tarefa, que Deus Nosso Senhor o ilumine e me perdoe (a mim) a intolerância e incompreensão, tão essencialista, entre

a

lentidão

e o

encobrimento.

De resto,
nós julgamos perceber
que tanto existem professores
que tocam os meninos no balneário, tal qual
párocos que dilaceram o corpo
no confessionário.
Concordamos, inteiramente, na existência de instituições que sabem, tão-só, cultivar a penosidade do erro.
Perdoai-lhes Senhor!, qu'eles não sabem o que fazem.
Deus, creio, nada tem a ver com estes mercadores, mas isso é outra conversa







Desculpai, cara WOB, mas´foi impossível resistir ao pecado comentativo.

Sancho Gomes disse...

Rosa,

essencialista porque rigorosa? está bem...

Woman Once a Bird disse...

Sancho:
Deixa-me que te diga que L'osservatore Romano também não será a fonte mais fidedigna para o caso. É que a redução do problema aos EUA está um bocadinho desactualizada.
E Sancho... estas coisas não se dão de barato. Mexeram na vida de demasiada gente para se dar algo de barato.
Houve encobrimento a partir do momento que estas pessoas nunca foram sequer a julgamento por um crime que a instituição a que respondem conhecia.
Em relação aos casos que apontas - ainda que seja a favor de que crimes deste teor fossem inibidores de uma contratação deste tipo - a verdade é que essas pessoas foram efectivamente punidas pelo crime que cometeram (o teor da pena é outra história).