terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Hás de cá vir e não ter (o hífen)

Numa caixa de comentários, em fim de dia, escrevo com toda a naturalidade hás-de.  E contudo, finam-se os tempos da segunda pessoa do singular do verbo haver tal como a conhecemos.  É a cerimónia do adeus* (forçado).
* Título roubado a Simone de Beauvoir, que não há(-)de ficar assim tão irritada com o abuso de confiança.**
**Este é o perfeito exemplo de post idiota que me ocorre quando ando a fazer a figurinha a que a HG aludiu neste post.

4 comentários:

hg disse...

: ) Isto não está fácil! Com uma acção de formação "elearning" à mistura... Só me apetece fugir.

Funes, o memorioso disse...

Pois eu vou continuar a escrever há-des. Há-de acabar por ser reconhecido.

hg disse...

hades é mais apropriado...

Woman Once a Bird disse...

ena ena, Funes, nem embirrou com a Simone.