segunda-feira, 27 de abril de 2009

Ataque de pânico

Em dias como o de hoje, a ideia de a escolaridade obrigatória alongar-se até ao 12.º ano deixa-me exangue.

8 comentários:

Nefertiti disse...

pois, eu hoje disse exactamente o mesmo!

Jorge disse...

deo gratis, que não estou sozinho!

Maria Velho disse...

Tu não paniques!
Jorge deo gatis estamos juntos/as!

José Ricardo Costa disse...

Eu ando há anos a ficar exangue só de pensar nisso. Mas acredito que, certas coisas, numa ilha, sejam ainda mais difíceis. Não sei, aquela sensação de querer fugir e não poder.

JR

rps disse...

Em vez de aos 14, irem para a escola de naifa, irão, aos 17, de revólver.

Anónimo disse...

Será que somos todos iguais? nem as máquinas que saem das fábricas são todas iguais: algumas saem da linha de fabrico com defeito. senão para que serve o controlo de qualidade?

As reprovações nas escolas públicas vão ser gradualmente banidas e a tendência será a de que ao fim de 12 anos de escola todos os alunos possam ter o 12.º ano de escolaridade, fazendo subir com isso os índices de escolarização dos portugueses. O nível de conhecimentos adquiridos será inevitavelmente muito baixo, mas o que importa são as ESTATÍSTICAS, e assim Portugal poderá figurar "orgulhosamente" na lista de países com maior número de anos de escolaridade.

O 12.º ano vai ser em breve a escolaridade mínima obrigatória. Embora os jovens passem a sair do sistema de ensino com poucos conhecimentos académicos, pelo menos, enquanto por lá andam também não figuram nas estatísticas dos desempregados, o que também é bom para as tais ESTATÍSTICAS.

Assim, o facto de virem a exibir o certificado de habilitações do 12.º ano deixará em breve de dar qualquer indicação às entidades empregadoras relativamente às reais qualificações dos jovens que então vão sair das escolas e, em consequência, terão que ser as entidades empregadoras a testar os conhecimentos dos candidatos aos empregos que oferecerem. Não começaram já a fazê-lo há algum tempo?

Os alunos que frequentarem as escolas públicas poucas possibilidades terão de atingir os necessários conhecimentos para prosseguirem os estudos. Assim, os pais que desejem para os seus filhos um curso superior terão que começar a consciencializar-se desde já que a escola pública não será o caminho aconselhável para a preparação dos seus filhos, mesmo que sejam crianças inteligentes e interessadas. O ambiente não será o melhor para que tenham sucesso por vários motivos:

1.º) na mesma sala coexistirão muitos alunos com fracos conhecimentos, porque não havendo reprovações, não haverá necessidade de empenho, nem nos estudos, nem na assiduidade às aulas;
2.º) com o fim do ensino especial terão por colegas jovens com deficiências várias: auditivas, de comunicação e até psíquicas;
3.º) nem todos os jovens são iguais: há génios, mais ou menos inteligentes e até jovens com capacidade de aprendizagem muito limitada. Mas a escolaridade obrigatória é para ser conseguida por todos eles. Quem não a conseguir nunca será um verdadeiro cidadão e poderá nem ter acesso a tirar uma simples carta de condução para ser um mero distribuidor de bilhas de gás.
4.º) porque todos os jovens são obrigados a frequentar a escola enquanto menores, mesmo que por ela não revelem qualquer interesse, terão por colegas outros jovens que apenas por lá andam porque o sistema a isso os obriga. Alguns deles utilizam a escola, os colegas e até os professores para se divertirem, gozando-os e boicotando as aulas.

Enfim, o Ensino vai de mal a pior!

Zé da Burra o Alentejano

Anónimo disse...

EUREKA! descobri a maneira de reduzir o nº de desempregados. Em breve Portugal vai reduzir o número de desempregados, para isso deverá aumentar a escolaridade obrigatória para todos os portugueses até aos 30 anos de idade. Até essa idade serão estudantes e não figuram nas estatísticas de desempregados, além disso serão precisos mais professores (mais empregos!).

Pato Sábio (PS)

Anónimo disse...

Relativamente ao final do comentário do "Zé da Burra", acrescento que seria melhor que os jovens que andam na escola apenas a ver passar os anos, gozando com colegas e até com os professores, fossem trabalhar em qualquer trabalho por mais humilde que fosse. Assim nunca mais serão úteis a esta sociedade doente.