terça-feira, 31 de março de 2009

Prazer com culpa

Em véspera de colóquio sobre Clarice (a que amargamente falto), continuo a leitura escandalosamente culpada da sua correspondência. Não que a leitura de um romance, ou de um livro de contos, ou de poesia não seja também ela endereçada, mas aí o autor autorizou-nos a participar no jogo. De cada vez que pego em Correspondências - Clarice Lispector, sinto que invado o seu universo mais íntimo e procuro penitenciar-me à boa maneira cristã: pecar na certeza que, aquando do pedido de perdão, ser-me-á devolvido o dom de leitora (quase) sem mácula.
Hoje, o meu pecado tornar-se-á maior: tenho refreado a minha vontade de trazer até aqui as cartas endereçadas de Clarice a outrém que não o leitor anónimo - que não eu (a inveja do início das cartas, das despedidas afectuosas) - mas o meu pudor começa a ceder e inicio o desvelamento pecaminoso:


Pedrinho continua com as leituras dele. Ontem de manhã Avany chamou-o para arrumar os brinquedos e ele disse que não queria. Ela disse: Muito engraçado, você brinca com os brinquedos, e eu que arrume, não é? Então ele respondeu muito pausado: "For men must work and women must weep". Me surpreendi muito, não somente porque soou claramente como citação (por causa do tom pausado), como pela forma claramente literária da frase (a tradução é: pois homens têm que trabalhar e mulheres têm que chorar - mas se a frase fosse trivial não seria usado o for e sim because) - como me surpreendi pelo facto da frase ser citada com um "a propósito" tão perfeito. Perguntei a ele: quem te disse isso? (pensando que era qualquer coisa da bíblia aprendida talvez na escola). Ele disse muito negligente: eu li na enciclopédia. Eu perguntei: e como é a história? Ele: oh não é história, é poetry! Eu disse: você gosta de poesia? ele negligente: de algumas. Eu: como é que você explica essa frase? Ele meio chateado: oh mother, that's poetry!

(Fotografia roubada aqui)

4 comentários:

Marta disse...

Minha querida,

ia eu postar sobre isto já a seguir, quando leio, porque te sigo, um pedacinho, do que vim a correr ler!
Eu, tou como tu: falto, amargamente!
beijo enorme

[e outro à nefertiti]

Woman Once a Bird disse...

Serão dias tristonhos, Marta. ;)

patxocas disse...

Ao ler esta notícia
http://www.ciberescritas.com/?p=3506

Lembrei-me de ti!

Jinhos,
P.

Woman Once a Bird disse...

Muito obrigada Patxocas. Já conhecia as duas primeiras partes (e deliciei-me) e agora vi as restantes.
Besos.