quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

A professora de Português manda bocas!

(Bocas!? O desenho animado?!)
Exercício para os alunos do oitavo ano: "Explica como as boas condições de trabalho podem levar a uma vida melhor."
Uma aluna: -Professora, não tenho ideias!
Eu: -Ó minha querida, não diga isso! Uma pessoa sem ideias é como um jardim sem flores!

Directora de turma: Tens que ser mais directa! Eles dizem-me que tu mandas bocas!

(Haja imensa paciência e força para eu conseguir aturar isto!)

10 comentários:

Dioniso disse...

Paciência e uma condescendência de santa.

Marta disse...

:) DESCULPA!
Dá vontade de rir! Mandas bocas, depois é isto, não te entendem ;)

rps disse...

Isso ainda traumatiza as criancinhas...

Gawain disse...

Está mal.

A Directora de Turma devia ter-te chamado para saudar a tua forma de puxar por aquelas humildes cabecinhas.

É de exemplos assim que se fazem as grandes casas.

Ser mais directo é manter este ciclo de pobreza de criatividade e de inteligência que se cultiva nas escolas e no funcionalismo deste País.

Tens toda a minha solidariedade.

Gawain disse...

Acrescento uma virgula a seguir a inteligência.

Perdoa-me, mas tive falta de uma Professora de Português como certamente a Nefertiti é.

Maria Velho disse...

deixo um singelo convite: quer vir ao Porto? vamos ver o culminar do projecto de uma miúda de "letras" sobre a Clarice Lispector? fica aqui o link, caso não conheça:
http://www.projectoclarice.blogspot.com/
e não desanime: ainda há muit@s miúd@s com flores e jardim!

Nefertiti disse...

Isto foi apenas um desabafo, pois ainda acredito nas minhas crianças! Elas são o melhor do mundo :).
Agradeço desde já o convite, e, sinceramente, vontade não me falta.

Gawain, gosto muito das suas palavras, com ou sem vírgulas : ))

Gawain disse...

Obrigado. Retribuo como posso.

I disse...

Discordo totalmente. Que eu saiba, frontalidade nunca foi antonimo de criatividade... A funcao de um professor e' ensinar directamente e nao com meias palavras, metaforas, alegorias ou afins... seja em que disciplina for! Ninguem (crianca ou adulto, portugues ou ingles, alto ou baixo, gordo ou magro, espevitado ou molengao...) e' obrigado a compreender a ligacao entre mente e jardins, ideias e flores... pode parecer muito obvio para alguns, mas como nao somos todos iguais, nao podemos julgar a rapidez com que outrem faz uma associacao qualquer entre palavras, da mesma maneira que nao julgamos a dificuldade de qualquer adulto, nao fisico quantico, em compreender fenomenos de "particle entanglement". E' simplesmente contraproducente, e na minha opiniao, arrogante, paternalista e pseudo intelectual! Deixemo-nos de peneirices e faltas de humildade, descamos dos nossos pedestais e lembremo-nos de que nem sempre soubemos aquilo que sabemos hoje... ja fomos criancas e todos nos ja sentimos dificuldades nesta ou naquela materia, e nao e' agradavel estar perdido sem saber o que fazer, pedir ajuda ao "homem do leme" e receber uma resposta "'a la Yoda". Nao estamos a formar Jedis, estamos a lapidar diamantes em bruto... e nunca nos esquecamos disso.

Isabel

Woman Once a Bird disse...

Cara Isabel:
Também eu discordo do seu comentátio, se bem que não na sua totalidade.
Concedo que um/a aluno/a possa não apanhar à primeira uma das saídas como a descrita, mas não será por isso que deixaremos de os/as estimular. A capacidade para a abstracção também passa por aqui, que pode ser um ponto de partida.
Deixe-me que acrescente, sem qualquer tipo de metáfora, que o seu apressado julgamento é que se me afigura como uma grande peneirice e pseudo-eduquês. Mesmo correndo o risco de lhe parecer demasiadamente maternalista.