domingo, 9 de novembro de 2008

Apressar o tempo... e depois suspendê-lo

Há dias em que não deviamos ter que trabalhar. Este domingo é um deles. Aguardo (im)pacientemente pelo lusco-fusco, em que me liberto do jugo das classificações a metro e espraio-me em direcção à cegueira.
Há dias assim, longos, trabalhosos... minados pela expectativa da hora do início do seu adormecimento.

2 comentários:

helena disse...

Nós, professores, deveríamos só trabalhar na escola!!!
A senhora ministra que corrija os testes e os trabalhos dos alunos, pois nós não temos tempo! E para quê fazer avaliação aos alunos?! Nas escolas avaliam-se os professores! Eu vou preparar as aulas para ser avaliada pelos meus colegas que não sei por que carga de água agora avaliam vão-me avaliar, pelos alunos e pelos encarregados de educação! Estou tão contente!
Será que a classe dos médicos também é submetida a uma avaliação?? Noutro dia vi uma reportagem que falava de umas pessoas que morriam por negligência... Mas isso não interessa! Os docentes é que precisam de ser avaliados porque estão a mais.

Os formulários com baboseiradas são a prioridade deste ministério! Bando de arrogantes e incompetentes.

helena disse...

Errata: não sei por que carga d´água agora avaliam os colegas!! (isso deveria também ser esclarecido!)