terça-feira, 10 de junho de 2008

Entre as brumas da memória

O dia da raça não é de lamentar.
O lamento está em relação aos que o lamentaram. Não em relação a quem o proferiu.

6 comentários:

jorge c. disse...

Fiquei baralhado agora. Estamos de acordo?

Woman Once a Bird disse...

Não, neste ponto não estamos. Foi uma gaffe? Certamente. Mas a verdade é que o Presidente da República, enquanto tal, não pode cometer uma gaffe destas.Por isso não tenho percebido bem os posts que passam a mão pelo pêlo do PR e condenam a dita esquerda por condenar esta... "gaffe".

jorge c. disse...

Mas que mal tem se não tiver sido uma gaffe? Serei racista ou fascista por usar expressões do antigo regime com as quais cresci?
Além de que o regime Salazarista não era conhecido por ser racista.

Woman Once a Bird disse...

Jorge: A questão é que estamos a comentar uma gaffe do Presdente da República que resvalou para uma expressão utilizada durante o Estado Novo. Ora, o President da República não pode dar-se ao luxo de cometer gaffes destas, ainda por cima com as tendências xenófobas que nós sabemos bem que se praticam no País.
Quanto ao regime não ser racista... lembra-te que tínhamos colónias.

Sancho Gomes disse...

De lamentar, lamentar é este fait-divers do BE. Porque se a frase foi idiota não é de estranhar e fazer dela um cavalo de batalha quando o país arde também não deixa de ser de lamentar...

Sancho Gomes disse...

De lamentar, lamentar é este fait-divers do BE. Porque se a frase foi idiota não é de estranhar e fazer dela um cavalo de batalha quando o país arde também não deixa de ser de lamentar...