quarta-feira, 5 de março de 2008

"Autismos"

(...) Num sentido mais restrito, o autismo foi apontando por Bleuler como um dos sintomas fundamentais da esquizofrenia: o indivíduo sofre de introversão extrema, a realidade exterior perde cada vez mais significado e não lhe é possível relacionar-se com os outros. O doente sente-se diferente, isola-se, queixa-se de que ninguém reconhece as suas potencialidades e vive o quotidiano em busca de identidade.
Em busca de um sentido mais comum, peço ajuda ao Dicionário Houaiss: "Autismo - polarização privilegiada do mundo dos pensamentos, das representações e sentimentos pessoais, com perda, em maior ou menor grau, da relação com os dados e exigências do mundo circundante.
(...)
Não ignoro o mal-estar de muito docentes, facto que tenho denunciado, por escrito e oralmente, em múltiplos contextos onde intervenho: as escolas estão a ser transformadas em escritórios de papelada burocrática, com os professores a ter cada vez menos tempo para falarem com os alunos; a indispensável avaliação dos professores e o imprescindível estatuto do aluno foram transformados em mais fichas cheias de alíneas, com a agravante de porem professores uns contra os outros, com alguns a espreitar as aulas de colegas, num ambiente de desconfiança apressada que não terá bons reflexos no clima escolar. Sei, no entanto, que há professores, sobretudo aqueles que pertencem às direcções das escolas, a apoiar algumas medidas actuais e que se apressam em cumpri-las: têm todo o direito de pensar desse modo e de se reunir a propósito!
(...)
Temos sobretudo de denunciar o "autismo" de membros do Governo que todos os dias, nos querem fazer crer que tudo caminha para melhor, quando a realidade do quotidiano de muitas famílias mostra o contrário. A solução para esse " autismo" só pode ser uma: ouvir muitas opiniões, sobretudo daqueles que não têm acesso aos "media" nem às estruturas do Largo do Rato. E José Sócrates não precisaria de criticar professores que se manifestam se, lado a lado com os dirigentes do Ministério da Educação, se dispusesse a falar com professores de várias zonas do país, sem agenda prévia nem resumos dos acessores."
"Autismos", Daniel Sampaio - In Pública, 24-2-2008

2 comentários:

Anónimo disse...

Respeito!

nefertiti disse...

Respeito o autismo clínico, agora autismo político, inadmissível!