sábado, 12 de janeiro de 2008

Repugnâncias


Olha-as maliciosamente.
Nojo. Náusea.
Os olhos pequeninos a brilhar, perdidos naquele corpo de bisonte, de quem esmaga com uma mão os quereres de outrém. É enorme, a criatura. Pulula pesadamente pelo espaço, muito mais estreito perante a presença daquele corpo excessivo coberto pelas calças justas e a t'shirt estilosa típica de frequentador de ginásio manhoso.
Nitidamente à caça, a besta. E elas, que lhe conhecem a mão leve para o peso nos outros, observam-lhe, estupefactas, a destreza e displicência nas aproximações. Horrorosamente despreocupado, sem consciência que lhe pese.
Incrivelmente, outras mulheres sorriem, como se lhe desconhecessem a incapacidade para ser verdadeiramente gente, o hábito de se esconder perante a omnipotência do aspecto, do peso físico, da vantagem insuflada. São poucos os que lhe censuram a cobardia e manifestam o desprezo por estar ali, daquela maneira, nitidamente à caça da próxima descompressora para as frustrações de cérebro pequenino, minúsculo; inexistente até.

Cartoon de Gerald Delcamp

7 comentários:

Rosa Oliveira disse...

«É preciso, é absolutamente preciso
Que tudo seja belo e inesperado.» escreve Vinicius.

Uma certa malicia é precisa e para ser mau que seja mesmo mau. Os olhos quando brilham naturalmente, encantam como os raios de sol; depende de quem os vê e não do brilho.
Há criaturas belas com corpos excessivos que saltitam, preenchendo de tudo o espaço anteriormente vazio. Bestas não gosto, nem daquelas que frequentam ginásios; ainda se fosse das que têm Personal Trainer... é chique, pronto.
Deixa as mulheres sorrirem. Os seres que sorriem a bestas, não são mulheres, são crianças em casulos. Algumas crescem, depois, outras nunca.
A consciência da cobardia habita somente os seres de alma grandiosa, os outros, que a não sabem reconhecer são uns nadas que, ainda assim, apontam o dedo e, apontar o dedo é feio: Deus está em todo o lado (Dizem!) e podemos acertar-lhe a omnipresença.

A propósito de Ginásio. Está na moda. Por cá, a sala de operários, quase se mudou para lá.

nefertiti disse...

Eu só não gosto mesmo é das pessoas parvas e armadas em iluminadas, independentemente de frequentarem ginásios ou não.
O belo é relativo, assim como os interesses e as vontades.

"Crianças em casulos"
"alma grandiosa"; "consciência da cobardia"??;"os outros são uns nadas?? "

QUE-RE-DO!!! (credo)

Rosa Oliveira disse...

«Eu só não gosto mesmo é das pessoas parvas e armadas em iluminadas, independentemente de frequentarem ginásios ou não.»

Já somos duas.
Parvo só se for no sentido etimológico da palavra, tipo: Gil Vicente.
O mundo está repleto de pessoas «armadas em iluminadas, independentemente de frequentarem ginásios ou não.», penso eu. Desde a Grécia antiga, como sabes, se pensa e escreve sobre isso.

«O belo é relativo, assim como os interesses e as vontades.»

Obviamente. Por isso mesmo, manifestamos pensamentos, interesses, vontades... diversas e de múltiplas formas. Ainda bem, o mundo seria uma monotonia monocromática se assim não fosse.


«"Crianças em casulos"
"alma grandiosa"; "consciência da cobardia"??;"os outros são uns nadas?? "»

Não percebi a avaliação crítica!

Sim, há «outros» que são uns nadas (enquanto pessoas, entenda-se) por exemplo: os políticos corruptos, os traficantes de droga, os violadores de crianças e mulheres, os homens que batem em mulheres, as mulheres que batem em homens, os sequestradores de crianças inocentes, mulheres e homens, os chamados neo-nazis que negam o holocausto onde morreram judeus, deficientes, ciganos..., os produtores e negociadores de pornografia, bem como os traficantes da designada «escravatura branca» (um flagelo do mundo actual) os pedófilos, os ditos ambientalistas que invadem a propriedade alheia e a violentam para fazer valer uma ideia (sua), os algores deste mundo, os ditadores, os regimes totalitários, os pides que não foram julgados, os assassinos profissionais e os criminosos em geral,etc.

«QUE-RE-DO!!! (credo)»
Tens razão, os que enunciei são, efectivamente, uns nadas. Ainda bem, que há sempre alguém que resiste.

everything in its right place disse...

mas estava a fumar?
diz-me, estava a fumar??

é que se não estava podia estar ali!

agora a sério: tanta bala perdida...

Woman Once a Bird disse...

O teu comentário está de morte, Everything! ;)

Funes, o memorioso disse...

Não sei bem porquê, fiquei com a sensação que este post era sobre o Sócrates. Ele frequenta ginásios, não frequenta?

E, sim, concordo com a WOAB, o comentário do Everything é, para já, o comentário do ano.

everything in its right place disse...

a procissão ainda vai no adro, camarada Funes...