quarta-feira, 10 de outubro de 2007

A dor(mência) da memória


"- A seguir, um estado de alma. «Somos pequenos, modestos, incultos, pobres, (...) a nossa memória é maior do que nós. (...). (...) Mas nós estamos "in memoriam".»"
J. Derrida, citado por Fernanda Bernardo in Derrida Em Coimbra, Palimage, p. 35

No embalo das pestanas que teimam em manter-se apartadas por mais uns minutos revejo as mensagens que guardo no telemóvel. A mais antiga remonta a 9 de Outubro de 2004: "Morreu Derrida." Tornou-se-me uma impossibilidade apagar esta mensagem. De quando em vez releio-a, quase com o espanto da primeira vez.
«Nós estamos "in memoriam"».

Fotografia de Abelardo Morell

5 comentários:

nefertiti disse...

Tanto trabalho para conservar e dar continuidade a essa memória. Valerá a pena?

Funes, o memorioso disse...

Ora a qui está uma frase de Derrida (apud Fernanda Bernardo) que não quer dizer absolutamente nada.

Por causa dessa menssagem que guarda no telemóvel, menina WOAB, vou denunciá-la a DM.

Woman Once a Bird disse...

Denuncie, caro Funes, denuncie-me a esse fanático e presunçoso.

Anónimo disse...

Viva.

Estive na passada 5ª feira no TAGV a assistir a uma Ana Lains em grande forma e muito bem acompanhada por excelentes músicos.

Relembrei um belissimo poema da Florbela Espanca que me faz viajar para junto da minha Amiga V.

"Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se adivinha,
E me prendesses toda nos teus braços...

Quando me lembra: esse sabor que tinha
A tua boca... o eco dos teus passos...
O teu riso de fonte... os teus abraços...
Os teus beijos.. a tua mão na minha...

Se tu viesses quando, linda e louca,
Traça as linhas dulcíssimas dum beijo
E é de seda vermelha e canta e ri

E é como um cravo ao sol a minha boca...
Quando os olhos se me cerram de desejo...
E os meus braços se estendem para ti..."


fica assim um modesto contributo para o vosso belissimo blog.

Woman Once a Bird disse...

Muito obrigada pelo poema.
Quanto ao TAGV... que saudades de atravessar as suas portas, ou de simplesmente tomar um café. ;)