quarta-feira, 13 de junho de 2007

Os nadas a preencherem os vazios…

- Lembras-te de mim? - Foste o meu grande-amor-nunca-vivido-e-depois-esquecido. De ti lembrar-me-ei sempre! - Ai sim, como é que eu era? - Lembro-me que tinhas os olhos azuis, eras especial… e… - Desculpa, eu tenho os olhos verdes! - Verdes?!... Não importa a cor, eras tu, disso eu lembro-me! - E depois? - Depois…lembro-me como nós gostávamos de baralhar os provérbios e de jogar xadrez com a condição de eu ganhar sempre. - Pois… - Nunca iria resultar… Dei-te muitas oportunidades, mas tu nunca fizeste um esforço, ganhaste-me sempre naqueles jogos. Ainda hoje recordo… Credo! Ainda bem que o tempo apaga algumas coisas, não achas?

3 comentários:

Woman Once a Bird disse...

Mas com quem é que tu andas?
Quero tudo explicadinho, via mail ou telefone.

nefertiti disse...

ficção, pura coincidência com a realidade : ))

feniana disse...

algumas coisas
algumas coisas, apaga, querida amiga.