quinta-feira, 10 de maio de 2007

Detesto ser impulsiva. Abomino, na verdade. Mas não evito. Ou melhor, não consigo evitar. Obviamente o facto tem implicações terríveis: nunca terei uma postura respeitável. Ou melhor, a determinada altura, desmancho-me a rir ou disfarço o nervosismo com piadas. Enfim, uma lástima. Um dos piores aspectos desta minha impulsividade acontece quando escrevo a alguém (acontece o mesmo por cá). Só me lembro de fazer a revisão de texto quando já enviei o mail ou publiquei o post. Restam-me as lamentáveis erratas.

2 comentários:

nefertiti disse...

e quando se come palavras ou letras e o sentido do texto fica absurdo! a mim acontece-me e não é poucas vezes!!

Sancho Gomes disse...

A tua impulsividade ultrapassa largamente o que dizes, escreves ou até mesmo como reages. Uma gaja que já foi pássaro paciente é coisa que não se conhece. Eu, pelo menos, não!
Mas olha que não é defeito: é feitio;)