quinta-feira, 1 de junho de 2006

Perdão, os Dados Estão Completamente Viciados.


"A ministra da Educação traçou ontem um quadro arrasador da falta de orientação das escolas e dos professores para os resultados dos seus alunos. Turnos da manhã reservados a turmas dos melhores alunos e filhos dos funcionários da escola, preocupação quase exclusiva para o cumprimento "burocrático-administrativo" das leis e distribuição das melhores turmas aos melhores professores são alguns dos exemplos apontados por Maria de Lurdes Rodrigues para dizer que a escola tem-se preocupado em dar aulas, mas não com o sucesso educativo dos alunos.
(...)

Os professores não passaram incólumes pelo discurso da ministra, que considerou ser uma classe com uma cultura profissional (que comparou com os médicos) que não tem como objectivo o sucesso educativo dos alunos. "Não são orientados para os casos mais difíceis. Os melhores professores ficam com os melhores alunos e os docentes com pior estatuto na casa levam com as turmas mais difíceis"
in DN de 30 de Maio de 2006
As minhas turmas não são do turno da manhã - são do turno da manhã e da tarde, já que o curriculo pesa.
Tenho alunos que saem de casa às 5 e 30; fazem parte do percurso a pé, parte de táxi e finalmente, autocarro. Para ter aulas às 8 e 10. Voltam à noite, com a mesma lengalenga. Estão em casa às 21. Todos os dias, de 2ª a 6ª. De fim de semana, trabalham. Frequentam o 12º ano. Não são todos. Mas tenho alunos assim.
Outros, trabalham para se manterem na escola. Não se levantam às 5 e 30. Só apanham um autocarro. Estão no 11º ano, onde lecciono uma disciplina com um programa novo, que me foi atribuída em Setembro. Não existe, até à data, qualquer manual ou material de apoio. Trabalho única e exclusivamente a partir da apresentação do programa homologado (em cima do joelho). A bibliografia recomendada para desenvolver o programa consta de 13 páginas.
O terceiro nível que lecciono tem um manual adoptado (há um ano atrás) que não corresponde às orientações para o exame da disciplina; estas só saíram em Setembro deste ano, um ano depois da adopção dos manuais. Em Setembro estava previsto exame nacional à disciplina, de cariz obrigatório. Em Fevereiro, não.
As minhas turmas apresentam dificuldades, pelo que deve ter sido esse o motivo para me serem atribuídas.Finalmente, percebi que devo ser uma má professora. Disse-mo a Ministra.
Repito a citação:
"(...)a escola tem-se preocupado em dar aulas, mas não com o sucesso educativo dos alunos."
Disse-mo a Ministra.
E o Ministério?
Pergunto eu.

16 comentários:

Gaia disse...

Muitos dados estão viciados.
Nem todos estão viciados.
Não são credíveis, porque foram ditos por alguém com credibilidade dúbia. Faz-me lembrar MMC.
As induções generalizantes são ambíguas.
Sobre a 1ª frase a negrito no 1º parágrafo, não me pronuncio. Mas estou em condições de lhe responder.
Sobre a 2ª, teria de perguntar à ministra o que é q ela entende por «sucesso educativo». Eu entendo sucesso educativo como aprendizagem efectiva. Se ela entende por sucesso educativo, passar pelo sistema - escolarizar-se - e sair diplomado, falamos de coisas distintas.
"Os melhores professores ficam com os melhores alunos..." aqui a senhora ministra, talvez se tenha enganado. Talvez quisesse dizer: os professores efectivos, os que são da casa, escolhem as turmas. Aquelas q são disciplinadas...etc e etc os professores contratados ficam com o resto que ninguém quer. Relembro: as induções generalizantes são ambíguas.
Sei muito bem o que passam esses teus alunos. Nasci numa aldeia e estudei na cidade.
Sei o que tens passado com essa nova disciplina. Tb sei que há um uso abusivo do manual escolar. O manual não é a bíblia. Devia ser manuseado - manual - e não o instrumento privilegiado de trabalho. Esse uso tb se relaciona com a especificidade de cada disciplina. Conheço um professor q telefonou para o ministério - parece q na escola ninguém o tinha - a pedir o programa da disciplina q leccionava, porque lhe surgiu uma dúvida, colocada por outro professor, em relação a um conteúdo, como não fazendo parte do programa. Esse professor, usava o manual como se fosse o programa disciplinar. Reformou-se o mês passado. Espero q seja único no sistema. Os manuais não são neutros. São interpretações dos programas.
Qto à questão da disciplina q leccionamos - Filosofia - desejo para ontem a reposição do exame nacional. os argumentos usados para a sua retirada não são verdadeiros. Não é verdade q haja insucesso. A disciplina de filosofia faz parte da formação geral dos estudadntes do 10º e 11º...e a própria UNESCO chama a atenção para o seu valor formativo . O Ministério tem outras preocupações.
Qto à distribuição de turmas e cargos, nós sabemos como se faz. Relembro: induçoes generalizantes são ambíguas.

Alexandre Dias Pinto disse...

E esta ministra socióloga! Bem devia saber que, se um sistema social (neste caso, o educativo) entre em descrédito, as consequências vão se sentir em toda a sociedade.

Alexandre Dias Pinto disse...

E esta ministra socióloga! Bem devia saber que, se um sistema social (neste caso, o educativo) entre em descrédito, as consequências vão se sentir em toda a sociedade.

Woman Once a Bird disse...

Concordo plenamente que o manual não é o instrumento privilegiado de trabalho do professor. Mas deve ser um auxiliar ao estudo do educando.

Woman Once a Bird disse...

Também desejo para ontem a reposição do exame. Não é verdade que haja insucesso nos exames nacionais. Mas também não considero que esse seja critério fundamental para a sua reposição. Desejo a sua reposição, porque no sistema em que jogamos, a credibilidade da disciplina é aferida pela existência ou não de um exame.

Gaia disse...

Sim, mas o ministério usou esse argumento q é falso. Não é só uma questão de credibilidade, mas tb. É a credibilidade do ensino da própria disciplina. Tu percebes o que quero dizer.

Woman Once a Bird disse...

Perfeitamente.

Gaia disse...

Já começo a ficar farta deste assunto. Mudando. Preciso da tua morada para te enviar a confirmação daquela Acção. manda por mail, ou L. sabe? Não diz nada de especial. Foi-me dirigida e pedem que te informe. Estamos inscritas. O 1º dia é q não foi nada bem pensado.Penso q não sabem a data do exame. Vou pedir ao P. para ser coadjuvante. o outro colega tb vai.Se não lhe for possível, não posso ir.
Estamos mesmo a precisar de outro discurso.

Xor Z disse...

O mais grave, na minha opinião, é atestar que os profs. não se preocupam com o sucesso dos alunos. Como é que ela o sabe é outra questão. Será por meio estatístico ou existe algum estudo onde isso transpareça, não me parece. Quando é que será que os ministros, cá nesta coisa a que chamamos país, serão obrigados a conhecer a realidade ministriável antes de ministriar.
Não sei porquê lembrou-me Sir Humphrey.

Woman Once a Bird disse...

Caro Alexandre:
Para este Ministério, o amanhã está muito longe. Importa parecer.

Xor Z:
Outros demitiram-se por menos.

Nefertiti disse...

Resumindo e concluindo: vou ter que andar uma boa parte do meu tempo a comprovar, relatar e registar a uma multidão de gente-não-sei-quem-etc, as minhas competências... em vez de andar preocupada em preparar aulas, procurar estratégias, actualizar-me, etc. Primeiro começaram com a exigência dos relatórios que são uma verdadeira treta! não sei quem os avalia mas... elaboro-os (quase sempre muito idênticos e quase sob forma de panegíricos) todos os anos e tudo ficam nos segredos dos deuses! Orientações para o meu desempenho?! Isso fica por minha conta! Salve-se quem puder!!
Também lembro o quanto eu e os meus colegas fomos massacrados com os estágios... Turmas do pior, pois claro, nós, os maus (as pessoas que começam a sua carreira) temos o que merecemos!
Se há muitos professores, a solução é simples: não os contratem! Para os que ficam, deêm-lhes condições de trabalho e não andem com joguinhos! enervantes!!

Nefertiti disse...

Tens razão, os dados estão completamente viciados!

Xor Z disse...

Cara senhora pássaro em outra encarnação
Eu sou mais radical e a demissão não me chega.
Afirmações que ofendam a honra de toda uma classe profissional têm, na minha perspectiva, de ser provadas em tribunal, senão andamos aqui a brincar às casinhas.
E que fizeram os sindicatos além de lavrar protesto?

Nefertiti disse...

Insisto, dêem condições a quem quer trabalhar a sério!!

Woman Once a Bird disse...

Xor Z:
Já nada espero dos Sindicatos, para além do esbracejar estridente e supérfluo. Tenho para mim que estamos nitidamente perante a historieta de Pedro e o Lobo. A seco, sem o talento de Prokofiev.
Enfim.

Tem razão, a demissão não chega.

Nefertiti disse...

A mim faz-me lembrar a canção do "atirei com o pau ao gato!", muito mais ao nível!