terça-feira, 18 de abril de 2006

Obviamente tu, Brutus. 2


Magnífico, o último episódio de Roma.
Servília, com o seu rosto belíssimo, a desferir o último (??) golpe a Átia que, polidamente lhe agradece a jura de vingança. Fabulosas ambas, na agressividade educada da arena constante dos episódios da série. Certamente não fica por aqui.
Brutus, as usual, cobarde até ao fim. É num quase morto que Brutus atravessa o punhal, depois de murmurar contra ele aos ouvidos de outros. Espera por César caído, ensaguentado, com a sombra da morte nos olhos, para então desferir o seu golpe. E pressentimos que, pudesse ele evitá-lo, manteria as mãos (mas não as palavras) arredadas daquela execução.
Esperemos agora por Marco António - o debochado - que ainda assim recua incrédulo perante o assassinato no Senado. Até para ele a cena foi demais.
E esperemos também por Octávio, prudente, silencioso perante o relato de morte que Servília serve ao lanche.
In the end, matam-se os grandes, enquanto que os simples prosseguem serenamente; Pulo, o idiota, a força bruta cuja ambição sempre residiu em bebida e Irene é o único que se afasta incólume pelas vielas sinuosas do Império.

9 comentários:

feniana disse...

gostei muitooooooooooooooooooooooooo!

e....já agora, tudo sobre a minha mãe é delicioso.

rps disse...

Tenho pena de não poder seguir. Gosto de narrativas dessa época e, pelos vistos, esta é de qualidade.

Anónimo disse...

Todos conheciamos a história, mas realmente a produção esteve fabulosa! bjs (Nefertiti!)

jose disse...

curioso. eu nunca vi nenhum episódio porque achei que seria uma feze.
parece que me enganei. ups!
quanto ao tudo sobre a minha mãe, concordo. é um filme marabilhoso, com todas as letras e mais algumas.
Pensando bem não sei nada sobre Roma. Apenas conheço genericamente a sua arte (que nem aprecio muito, já que originalidade foi coisa que eles não conheciam muito bem, nesse aspecto) e li o António e Cleópatra (e vi um filme com o memso nome). De resto sou um total ignorante. Parece que é uma falha a colmatar, não?
Pergunto-me, o que posso ganhar conhecendo mais sobre a história, cultura, etc, desse período da história? (isto não é uma questão retórica :D)

Nefertiti disse...

No retrato os romanos foram geniais diria até pioneiros (mas também relativamente à arte, e muitas outras coisas mais, sou ignorante"... quando falo "conhecíamos" refiro-me à parte da expressão " Também tu, Brutus!".

jose disse...

não foram pioneiros no retrato propriamente dito mas mais na aproximação ao 'retrato real' em vez do que predominara até então, o 'retrato idealizado'. de facto tinha-me esquecido de tal. De resto a sua arte é muito similar à arte grega. Aprecio ambas, mas prefiro a grega, simplesmente porque apareceu primeiro. :D

jose disse...

ah, relativamente à parte do 'todos conhecíamos a história' nem tinha reparado que o dizes quando escrevi o meu comentário, embora tenha lido o teu primeiro, logo não tinha a tua expressão em mente quando me auto-denominei de ignorante. até porque a verdade é que sou mesmo um ignorante da história romana. nem sei quem brutus foi. :)
penso que o meu comentário é facilmente mal compreendido.
mesmo no final, quando coloco a questão, não estou a ser irónico, como deve provavelmente parecer. era uma forma de alguém me explicar um pouco sobre a cultura e história romana e sobre o que posso descobrir se me dedicar a estudá-la um pouco mais (por isso digo que a questão não é retórica).

Woman Once a Bird disse...

Juzelino:
A pessoa indicada para isso é mesmo a Nefertiti. Eu, por mim, sou adepta da Grega (sou adepta da tragédia) e temos uma velha quezília sobre as benesses de gregos ou romanos...
De qualquer modo, parece-me que os romanos eram uns beberrões incontroláveis, uns debochados, (brincadeirinha, embora fossem muito cientes do seu prazer... pelo menos até à religião cristã se implementar no Império). De qualquer modo, existe um blog só sobre a Roma Antiga e para isso deixo-te o endereço:
http://roma-antiga.blogspot.com/
A série Roma estava muito interessante, porque não procurava perpetuar o glamour do Império retratado (construído) pela indústria cinematográfica.

jose disse...

eu também adoro tudo o que é grego. é uma parvoíce, mas é a verdade. isto nasceu quando eu andava no meu sétimo ano, tive que fazer um trabalhinho sobre a grécia para a disciplina de História e como resultado saiu dali um trabalho enorme, porque gostei tanto daquilo que nunca mais o acabava. Ainda o tenho cá hoje, é lógico que o trabalho está uma porcaria, mas para os padrões dos miudinhos do 7º ano até estava jeitoso.
Metade do trabalho é sobre mitologia. Fiquei mesmo maravilhado. E mais tarde veio a revelar-se muito útil em História da Arte, visto que muita da arte de certos períodos se inspirava na mitologia grega, e assim era-me muito fácil compreendê-la. O mesmo foi válido para certas matérias da dfisciplina de Português.
Mas bem, vou ver esse blog sim. Aliás, já o vi ontem, mas assim rapidamente. Um dia destes vejo com mais atenção. Agradeço.