segunda-feira, 28 de maio de 2012

terça-feira, 22 de maio de 2012

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Liberdade de Imprensa





como


[só a garantia de impunidade pode explicar a violência policial na era dos telemóveis-câmaras: por cada um que cai há - haverá - SEMPRE um flash que dispara]

Boa Semana



Talvez tenha sido por os dias andarem negros e as noites expulsarem a confiança. Talvez fosse por falta do ferro ou dos minerais que dizem ser essenciais ao ser humano. Talvez fosse por não ter saído na sexta. Ou por ter perdido a exposição. Talvez fosse por ali ver a estória da curva sinuosa da esperança. Talvez fosse apenas por ser a última das sete. Fosse pelo que fosse, esta foi a mais perturbante das sete.


sexta-feira, 18 de maio de 2012



E depois da saga de ontem, isto.



Oh, take me back to the start

quinta-feira, 17 de maio de 2012




Raramente dou uso à impressora, pelo que, infalivelmente, quando preciso dela… os tinteiros secaram. Vai de ir às compras e eis que me deparo com a amarga realidade: a inflação atingiu os cartuchos, cujo preço está pela hora da morte. Vai de fazer contas à vida e opto pelos reciclados XXL. Sentada em frente ao computador e pronta para imprimir 9 envelopes. Duas horas depois descubro qual o raio da opção que permite à impressora perceber que, se dou ordens para imprimir num envelope DL, logo, estou a colocá-lo no lado para o qual aponta a setinha que está na própria impressora. Depois de aberto o Publisher, o Word, eis que, finalmente, o Acrobat me salva e quando acho que tudo está resolvido, 13 envelopes impróprios para enviar vêm provar-me o contrário.

Após 6 (seis) limpezas de tinteiros (!), o preto continua a deixar rastos por tudo o que é papel por onde passe, mesmo que não seja a área a imprimir…. Decido mudar de tarefa e experimento imprimir as cartas… já a antever que ficassem uma enorme cagada e a equacionar ir à loja reclamar por causa do tinteiro. Eis que as cartas saem em perfeitas condições (de notar que as cartas têm cabeçalho com um logótipo a 3 cores… e a morada do destinatário -, i.e., em tudo igual ao que é suposto ser impresso no envelope). Eis-me sem quaisquer motivos para reclamar do tinteiro… eis-me sem conseguir imprimir os envelopes. Eis-me prestes a explodir....................... 

Adenda: acabo de ser informada da origem do meu problema.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Boa Semana



Au Renouveau

Tout Redevient Beau

inspiração vista pela Susana, na rua de Portugal, em Bruxelas.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Είμαστε όλοι Έλληνες


                                      Somos tod@s greg@s





http://weareallgreeks.tumblr.com/

O responsável pela anedota diária de hoje garante que, contrariamente à Grécia:
«Em Portugal (...) procura-se uma ética social em tempos difíceis, olhando primeiro para os mais desfavorecidos.» Preciso de um pouco de tempo para me recuperar, que ainda estou a rir com esta do olhar primeiro para os 'desfavorecidos'. 

Quanto à ética, Pacheco Pereira talvez dê umas luzes à questão:




Boa Semana



Now it's the only time I know


Primeira semana após as eleições na mais ou menos livre França e numa Grécia amordaçada e constantemente ameaçada.
Última semana para gastar dinheiro na Feira do Livro. (para quem não gastou tudo no Pingo Doce)
 Quinta-feira é dia de estreia da última criação de Burton, nos cinemas portugueses.

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Max Aub (ainda)


Reblogged from Mind Garden

Matei-o primeiro em sonhos; depois não descansei enquanto não o fiz de verdade. Era inevitável.

Crimes Exemplares, Max Aub

terça-feira, 1 de maio de 2012

Brevemente, numa rua perto de si

Um dia hão-de tirar-nos tudo.


8 horas de trabalho
8 horas de lazer
8 horas de descanso

Parece simples, não é? Mas ainda há bem pouco tempo isto estava em discussão. Mais, ainda se ouvem vozes de instrumentad@s que acreditam mesmo que a produtividade reside no número de horas que se trabalha. E que defendem que @s portugues@s não querem trabalhar: têm um gene da preguiça muito desenvolvido. Esta gente fica aborrecida que haja gente que goste de ser paga quando trabalha. É uma chatice, concordamos.
Mas claro, isto não é nada. A meia hora pode ter caído, mas vigoram bancos individuais de horas. E isto não é nada. O caminho na destruição dos direitos conquistados na segunda metade da década de 70 está agora a ser percorrido em alta velocidade. Em certos setores do mercado de trabalho as pessoas - ou colaboradores na novilíngua - não passam de matéria prima - permanentemente em saldos.
E, parece-me, ainda não vimos nada. Esta semana, dizia-me uma amiga: «estou mesmo a ver que para o ano que vem só recebemos 11 meses. As pessoas acham tudo normal». Demorei alguns segundos a perceber que ela estava a sugerir que chegará o dia em que os contratos de trabalho não contemplarão o pagamento do mês de férias. Não, não é o subsídio, é o mês de férias. Sim, esse dia chegará, concordei. E nada se dirá. Haverá sempre aquel@s que dirão que faz todo o sentido: que se não se está a trabalhar, logo não se deve receber. E o governo dirá que temos que endireitar as contas públicas. Que não podemos viver acima das nossas possibilidades. E continuaremos a ler que @s portugues@s se habituaram a viver que nem alemães. Não, que nem alemães não, que esses são poupadinhos. Que nem gente do sultanato do Brunei! Como se em Portugal houvesse petróleo! Carro? Onde já se viu? Desde quando pobres têm carro? Metro com mais de 3 carruagens? Mas quem julgam que sois? Julgais por acaso que tendes sangue azul para exigir transportes públicos com o mínimo de condições de dignididade? Casa? Mas desde quando pobre tem casa?

Leio que o governo prevê poupar 250 milhões nas prestações sociais... mas como, pergunto-me, se o desemprego não pára de aumentar? Ah... através do «reforço das regras restritivas de acesso às várias prestações sociais, nomeadamente, o abono de família e o rendimento social de inserção.» percebo. Infelizmente, percebo o que Gaspar quer dizer: «quando aumentamos impostos, para protegermos os menos favorecidos e os mais vulneráveis». Como bem assinalaram os Ladrões, segundo a visão de Gaspar, estes são os mais vulneráveis.
Ouço Passos Coelho, na TSF, a dizer aos/às trabalhador@s que 'não vale a pena fazer greves e manifestações'. As celebrações deste dia começaram após um massacre, não foi?

Max (edição espanhola da Media Vaca)

«Era a sétima vez que me mandava recomeçar aquela carta. Tenho o meu diploma, sou uma dactilógrafa de primeira classe. Da primeira vez, foi por um ponto, que ele disse que devia ser ponto parágrafo. Outra vez, porque alterou o 'possível' para 'talvez'. Outra, porque ficou um v em vez de um b. E outra, porque ele se lembrou de acrescentar um parágrafo. E outras vezes, já não me lembro porquê. O caso é que tive que recomeçar sete vezes. E quando lha levei, olhou para mim com aqueles olhinhos hipócritas de chefe de secção e disse: 'olhe, menina....'. Não o deixei acabar. Há que ter mais respeito pelos trabalhadores.»

Crimes Exemplares, Max Aub
(um dos meus livros de eleição desde que o descobri, nos 90). Agradeço publicamente ao senhor da Antígona que me ofereceu a edição ilustrada (maravilhosa, maravilhosa), na Feira do Livro.